HORÓSCOPO INDÍGENA – CONFIRA SUAS CARACTERÍSTICAS

xama

Dou-lhe a conhecer o horóscopo da tribo Tupi, oriunda do Brasil. Segundo as crenças dos indígenas, primeiro Deus criou os céus e a terra e depois criou o índio. Saiba, segundo a sua data de nascimento, qual a sua personalidade e a que elementos da natureza, água fogo, terra ou ar pertence.

Veado

De 1 a 31 de janeiro

Elemento: Fogo

A força deste signo está particularmente ligado ao Sol. É uma pessoa que nasceu para comandar e algumas das suas atitudes podem ser mal interpretadas, principalmente quando não consegue equilibrar o seu lado impulsivo com o seu lado mais calmo, que lhe é passado pela mansidão do veado. Na verdade, se dominar o lado mais tranquilo, é possível que se deixe abater pela fraqueza, o que pode torná-lo uma pessoa que pouco ou nada se consegue impor perante os outros. Porém, se dominar o extremo da força, também os outros o podem desprezar pelas suas atitudes de revolta, o que resultará inevitavelmente na solidão. Acabará por não conseguir ter ninguém do seu lado. Para que esta personalidade consiga atingir o equilíbrio, o ideal é não entrar em extremos e manter a natureza mansa do veado e a força do fogo. É um signo também muito ligado à maternidade e revolta-se muito com a maldade humana, estando sempre pronto para defender os mais desfavorecidos. Tem uma índole justa e tenta tornar-se, ao longo da vida, uma pessoa melhor.

Macaco

De 1 a 28 de fevereiro

Elemento: Terra

As pessoas nascidas sob a influência deste signo são verdadeiras forças da natureza, que tentam que o seu espírito se eleve em relação aos seus instintos do corpo físico. A luta entre um princípio superior sobre o inferior é uma luta constante, mas o seu grande objetivo é realmente a procura pela meta mais elevada. É um defensor inato do meio ambiente e da natureza, e quando define uma meta torna-se incansável até atingi-la. Quando as coisas não saem consoante os seus planos, pode tornar-se muito tenso e até mesmo nervoso, afastando algumas pessoas com uma maneira rude e desagradável. Poderá controlar esse feitio, se elevar a sua alma sempre aos assuntos espirituais, e manter os pés bem assentes na terra e a cabeça no ar. São pessoas com uma grande coragem, fiéis, sendo que a sua devoção a quem amam é incondicional.

Boto

De 1 a 31 de março

Elemento: Água

Embora o seu elemento seja a água, o boto Uauira está ligado ao Sol. Têm caraterísticas na sua personalidade muito inconstantes, pois tem uma atração fatal pela ondulação do mar, mas anseiam também ter os pés bem assentes na terra, o que as faz muitas vezes irem ao fundo com algumas escolhas que fazem para a sua vida. Mas como são extremamente enérgicas e dinâmicas, rapidamente dão a volta por cima, começando tudo de novo, se for necessário. São pessoas a quem se pode confiar um segredo, pois têm a grande capacidade de guardá-lo durante toda a vida. A sua inteligência, os seus valores morais, bem como a sua ética leva-os mais longe, mas também podem frustrar-se se não conseguirem atingir os seus objetivos com rapidez. Combinam muito bem com pessoas regidas pelo elemento terra, o que quer dizer que tanto pode fazer uma sociedade para a vida com elas ou ter uma relação amorosa muito duradoura.

Boitatá

De 1 a 30 de abril

Elemento: Ar

Estas pessoas são regidas pelo astro Sol, e portanto são dotadas de uma grande sabedoria e clareza de raciocínio. O símbolo que representa este signo é a cobra do grande fogo. Insurge-se contra as injustiças e o seu forte espírito afasta todos aqueles que lhe pretendam fazer mal. Tem uma personalidade um pouco misteriosa, e para além de serem muito inspiradas, adoram improvisar. Por norma, conseguem surpreender sempre aqueles que os rodeiam com as suas atitudes. Nada é previsível com as pessoas deste signo. Afastam-se sempre de discussões, e são capazes de se tornar os
piores inimigos se alguém os envolve em intrigas. São, porém, extremamente benevolentes, meigos e capazes de perdoar com alguma facilidade. A sua personalidade tem da parte do boto caraterísticas passivas, enquanto da parte da cobra recebem a força e o dinamismo que necessitam para vencer na vida.

Saci

De 1 a 31 de maio

Elemento: Terra

Para além de serem regidos pelo astro Lua, estas pessoas pertencem à mãe divina, a Deusa Jaci, ligada ao elemento água. Têm a plena consciência da sua força e estão atentas a todas adversidades da vida, sendo que dificilmente se deixam enganar pelos outros. Mesmo que pareçam um pouco distraídos, pois são muito brincalhões e um pouco irresponsáveis, os nativos do signo Saci não deixam escapar as oportunidades. Mesmo que os outros achem que ele não se importa com algo, a verdade é que ele luta até ao fim por aquilo em que acredita e que quer para a sua vida. É verdade que a lua lhes passa algum aspeto mais inconstante, mas são pessoas com os pés bem assentes na Terra e que sabem que só devem preocupar-se com aquilo que tem realmente importância. Gostam de mudanças, são aventureiros e correm sempre atrás de um sonho, de um ideal.

Urutau

De 1 a 30 junho

Elemento: Ar

Representados pelo Papagaio, o boca de fogo, as pessoas nascidas sob a influência deste signo têm como astro regente a lua, ligada ao elemento água. São apaixonados pelo mistério, pelo ocultismo e pela religião. Os outros sabem que podem obter os melhores conselhos por parte destas pessoas, pois as suas palavras são sempre sábias. No entanto, mantêm-se em silêncio até que lhe peçam a sua opinião. O seu lado mais introspetivo pode, porém, levá-los a correr atrás do nada, pois o seu elemento ar fá-los sonhar por ideais, muitas vezes, impossíveis de realizar. Mas segundo a lenda, o Urutau, a ave invisível da noite, progride enquanto os outros dormem, e é dessa forma que consegue alcançar os seus objetivos mais depressa do que os outros. É uma pessoa insistente e só desiste depois de muita luta.

Boiúna

De 1 a 31 de julho

Elemento: Água

A serpente negra aquática é o símbolo que representa este signo. São pessoas com uma força presente no meio onde vivem e têm uma personalidade muito ativa, sempre capaz de fazerem as coisas acontecer. Fiéis por natureza, jamais abandonam também, no meio do caminho, aqueles que lhe foram mais leais. Têm também um lado mais inconstante, querendo, muitas vezes, vencer na vida através da imposição, tendo alguma dificuldade em dar o braço a torcer. São mais frios e distantes do que, por exemplo, os signos regidos pelos elementos de Fogo e Terra. Não há dúvida, que muitas coisas acontecem devido à sua influência, principalmente porque conseguem ser muito dramáticas, puxando pela emoção dos outros para atingirem os seus intentos. Para alcançarem um equilíbrio devem juntar-se a pessoas cujo o signo seja do elemento Fogo e Terra. Dessa forma, conseguirão liderar sem passarem por cima de ninguém.

Passarinho

De 1 a 31 de agosto

Elemento: Fogo

Esta é uma pessoa que consegue ganhar facilmente a simpatia dos outros. Sabem ouvir como ninguém, e sentem que o seu grande objetivo na vida é estarem ali para quem precisa, e serem úteis aos outros. A generosidade é uma das suas melhores facetas, acreditando que os seus atos podem criar muitas coisas novas, bem como mudar destinos e melhorar a vida dos outros. São dotados de uma grande criatividade e originalidade, algo que lhes surge devido ao seu astro regente, a Lua. São portanto pessoas capazes de singrar facilmente no mundo das artes. São muito admiradas pelos outros e dificilmente viverão isoladas, pois os outros sentem necessidade de as ter perto de si. São extremamente sonhadores, e para se sentirem completos precisam juntar-se a pessoas com signos do elemento Terra e Ar. A sua busca infinita é pela beleza, pelo amor e pela fraternidade.

Sereia

De 1 a 30 de setembro

Elemento: Água

Estas pessoas são muito românticas e se há algo importante para elas é o amor. A busca pela alma gémea é uma das coisas mais importantes da sua vida. Embora estes nativos sejam regidos pelo elemento água, a sua cada astral é a Terra, o que os liga inevitavelmente à apreciação da beleza e os torna muito equilibrados. Os nativos de Sereia adoram viajar, descobrir novas culturas, mas são também muito ligados à família e ao seu lar. São muito sonhadores, dóceis e amorosos e sentem-se muito agarrados às memórias do passado, tendo alguma dificuldade em desligar-se de todas as lembranças. A sua existência é sempre pautada por uma grande dose de romantismo e têm o poder de despertar a simpatia nos outros. Extremamente dedicados àqueles que amam, estes nativos são também muito fiéis e representam a força do amor terreno.

Caititi

De 1 a 31 de outubro

Elemento: Terra

Representados pelo símbolo da Fada, estas pessoas têm a sua casa astral na Terra também. São muito racionais, que vão buscar todas as suas forças ao magnetismo da física. Têm um amor puro pelo próximo e são pessoas que dão muito, sem pedirem nada em troca, embora exijam que os outros sigam o caminho da honestidade para merecerem as suas dádivas. É fadada para dar alegria a todos e tem o dom da caridade. Tem também um grande senso de justiça e vive constantemente em busca dos seus próprios mistérios. Gostam de sonhar, mas o seu elemento terra não os deixa voar muito alto nem nadar para muito longe.

Boiarara

De 1 a 30 de novembro

Elemento: Fogo

O Dragão é o símbolo que representa este signo, que carateriza estes nativos com uma grande coragem e uma força magnética que energiza as emoções. Se por um lado, estas pessoas pensam muito com o coração, a verdade é que também, devido ao facto de pertencer à casa astral de Terra têm os pés assentes no chão. Embora apreciem a vida ativa, sentem que precisam conter os seus impulsos e poucas vezes se deixam levar pela imaginação. Têm uma personalidade muito espiritual e jamais admitem a derrota, não aceitando também a submissão. Sabem como ninguém honrar os seus compromissos.

Guanumbi

De 1 a 31 de dezembro

Elemento: Ar

O seu astro regente é o planeta Terra, que combinado com o seu elemento Ar lhe dá caraterísticas ligadas ao espírito, à imaginação, ao sonho, mas também à terra. É uma pessoa que tenta aproveitar todas as oportunidade que a vida lhe dá, escolhendo sempre para si tudo aquilo que é melhor. Dá portanto, alguma importância ao luxo, mas também não se esquece dos outros. Assim sendo, consegue dar aos outros o exemplo daquilo que é o mais correto e tem a função nesta vida de conduzir os outros para o descanso espiritual. É uma pessoa que dá muita importância à beleza, tem uma grande autoestima, e é sempre cordial e atenciosa. É simbolizado pela ave beija-flor.

___

Via: Consultório de Astrologia

Anúncios

O PAPEL DE UM MESTRE XAMÃ

157

No mundo ocidental, hoje, mais e mais ocidentais não-tribais estão buscando um professor de xamanismo e em resposta, um número crescente de professores xamânicos estão aparecendo na tela. Mas como podemos garantir que seremos atraídos para uma pessoa autêntica, um iniciado que vai nos “servir” bem?

No início de nossa conexão com as tradições da sabedoria antiga, alguns de nós decidem procurar os professores no mundo indígena, muitas vezes através da participação em grupos de viagens ou passeios em regiões remotas do mundo. Estes passeios são geralmente acompanhados ou liderados por um especialista reconhecido ou auto-proclamados, e essas experiências podem ser intensas, emocionantes e de mudança de vida. No entanto, nós freqüentemente descobrimos que só porque alguém parece ser um especialista nem sempre o é, o conhecimento pode ser bastante limitado e superficial. Além disso, essas experiências geralmente não possuem uma conexão permanente para facilitar o nosso treinamento xamânico e desenvolver habilidades xamânicas. Assim, continuamos a busca.

Alguns de nós procuram anciãos espirituais indígenas mais perto de casa, mas geralmente descobrimos que há muito poucos agora que sabem as antigas tradições e menos ainda que desejam compartilhar sua sabedoria espiritual com estranhos. Alguns de nós têm a sorte de encontrar uma pessoa idosa que tenha optado por compartilhar os seus conhecimentos a todos, independentemente de cultura, raça ou etnia.

Há um crescente número de buscadores espirituais que se tornam conscientes do caminho do xamã através da leitura das obras publicadas de indivíduos que têm “tempo gasto” com os povos indígenas. Alguns encontram seu caminho em relação com essas pessoas, que oferecem conhecimentos, bem como formação experiencial em seminários e workshops em institutos e centros de conferências.

Para os ocidentais, os workshops experienciais oferecem oportunidades de imersão intensa na cosmovisão do xamã e sua prática. Essas configurações estruturadas fornecem ferramentas e técnicas destinadas a trazer-nos uma ligação reforçada com ajudantes do nosso espírito, os professores do nosso espírito e nossos guias, a criação de uma fundação boa para a nossa própria prática. No mundo do xamã, sempre se fala que os Mestres encontram-se realmente, do outro lado. Somente os espíritos podem transmitir o ensino verdadeiro, bem como a iniciação à fé xamanista.

Assim, o trabalho do professor xamânico autêntico é o de facilitar essa conexão …

Uma vez que o aspirante xamânico tenha sido posto em relação com seus espíritos auxiliares, o papel do professor é essencialmente exterior. Mas também é verdade que muitos retornam do trabalho como um professor singular em oficinas de formação xamânica, a fim de aprofundar a sua prática em áreas específicas como o trabalho com os espíritos ancestrais, recuperação da alma e cura transpessoal, ou a explorar as realidades dimensionais dos mundos superiores.

Ao fazê-lo, os ocidentais descobrem que as metodologias antigas do xamã, desenvolvida através de dezenas de milênios por nossos ancestrais da idade da pedra, são direitos inalienáveis de todos os seres humanos em toda parte. Se retrocedermos o suficiente, somos todos descendentes de povos indígenas tribais, ocidentais e não ocidentais iguais, e todos eles tinham grandes xamãs.

Isto significa que não é necessário que você seja um Zulu ou da Sibéria, um americano ou maia, nativo havaiano para praticar o xamanismo. A prática, o método é essencialmente o mesmo em todo o mundo. Ela pertence a todos.

Estas são algumas reflexões sobre a natureza do professor xamânico autêntico, permitindo-nos a partilhar algumas idéias, para quem está procurando um professor de xamanismo, bem como aqueles que se sentem atraídos para tornarem-se xamanistas.

Ao fazê-lo, estamos falando de mais de 27 anos de aprendizado nessa tradição intemporal, um período durante o qual temos estudado com vários Mestres no mundo exterior, tanto ocidentais e indígenas, bem como com os nossos “Maestros” no interior do espírito.

No entanto, a grande questão ainda se esconde nas sombras para nossa consideração: como você sabe quando um professor xamânico é autêntico? Como você sabe se este autor famoso ou aquela pessoa conhecida ou o indivíduo desconhecido foi autenticamente iniciado? Isso é muito importante pois se há uma coisa que os buscadores espirituais da comunidade de transformação estão procurando, é autenticidade, e aqui, a partir de nossa experiência, segue alguns pontos que vocês devem considerar.

A primeira coisa que procuramos em um líder espiritual é a humildade.

Se alguém se levanta na frente de um grupo e anuncia que é um xamã, devemos ficar com os dois pés atrás. Nenhum xamã verdadeiro reivindica este título, ele é reconhecido pela comunidade com tal. Todos os xamãs sabem que os Poderes a que têm acesso são empréstimo dos espíritos. Eles também sabem que quando um deles se torna orgulhoso, proclamando-se a este ou aquele, esta é a maneira mais rápida de perder a conexão com o Poder. Assim, todos os xamãs verdadeiros tendem a ser pessoas muito humildes. Às vezes eles usam o termo xamanista, que está alinhado com humildade.

A segunda qualidade que assistimos é a reverência.

Neste caso, a reverência se refere a uma relação ativa que se estende a tudo e a todos, independentemente de quem e quais são elas. Se você está em um grupo com um professor que é autocrático, exigente, condenando, poderá reconsiderar o seu compromisso com aquele mestre. Se você está em um grupo de viagem, onde o líder trata os moradores com desrespeito, este não é um sinal favorável.

A terceira qualidade que assistimos é a auto-disciplina.

Se você encontrou-se com um líder espiritual que é arrogante, que se expressa através da proclamação e pontificação, ou se tiver encontrado sozinho na presença de alguém que o seduz com histórias maravilhosas, que podem ou não ser verdade, você deve estrar provavelmente no lugar errado. Se ouvir que um professor conhecido viola os limites dos alunos, especificamente o sexual, o melhor a fazer é procurar uma pessoa mais digna, de confiança, para ajudar a facilitar o seu crescimento espiritual.

Quando percorremos o caminho xamânico de revelação direta, nos engajamos em uma prática espiritual que nos foi revelada por um sábio kahuna que disse: “Devemos amar tudo o que vemos com humildade, viver tudo o que sentimos com reverência, e saber a usar todo o conhecimento que possuímos com disciplina, honra e sabedoria”.

“Aqueles que buscam um xamã quando o encontram, não devem esperar movimentos mágicos.
A sua Arte é a de provocar seus demônios que tão bem escondes.
Se buscas um xamã, prepare-se para o seu silêncio.
Mantenha-se alerta quando ele mostrar toda sua sinceridade.
Mas tenha a certeza de que ele irá prepará-lo para a sua pior batalha: o encontro consigo mesmo.”

Hank Wesselman

Escritor, Antropólogo Paleontologista e Xamanista

http://www.xamanismo.com

2016 – Um ano de términos. Fim de um ciclo de 36 anos

ws_under_the_world_1920x1080

Segundo a tradição astrológica, cuja origem se perde no tempo, um determinado astro governa por um período de 36 anos. Isto significa que de 36 em 36 anos vivemos sob a dinâmica de um planeta ou estrela e suas características irão imprimir seu tom por todo aquele período.

Desde 1981 estamos sob o domínio do Sol, o que significa que o espírito de brilho pessoal, egocentrismo, necessidade de marcar a individualidade no mundo têm permeado nossas consciências. Esse período tem seu término em 2016.

2016 é um ano importantíssimo, pois além de encerrar todo um ciclo planetário, pela numerologia, é um ano nove, número que também indica final de ciclo.

Todos os finais de ciclo veem acompanhados de perdas e renúncias. Nos últimos 36 anos, pudemos ver o individualismo (Sol) crescer a proporções exponenciais. Creio que nunca antes ouvimos tanto a palavra EU. Meus direitos, minhasescolhas, meus desejos, minhas necessidades…eu, eu, eu, meu, meu, meu. Tudo parece que girou em volta do indivíduo, com ou sem razão para tal. As selfies publicadas em redes sociais é o exemplo mais pronto e acabado desse símbolo do egocentrismo que nos tem permeado.

O Sol tem a ver com a criança e, por conseguinte, com a “criança interior” de cada um, que não por acaso tem sido explorada e trabalhada em uma gama de teorias do autoconhecimento. Também, nunca a criança foi tão valorizada quanto nos últimos tempos, tudo é feito por e para as crianças até o limite do mimo exagerado e a incapacidade dos pais de colocarem limites aos filhos. Dormem a hora que querem, e podem quase tudo, interferindo de maneira questionável no mundo dos pais e dos adultos ao redor.

Para que possam entender o que tem acontecido ao zeitgheist dos últimos trinta e seis anos é interessante conhecermos os atributos do Sol, na astrologia.

Qualidades solares: vontade, decisão, propósito, intenção, criação. O modo de exprimir a energia criativa, a identidade própria, necessidade de ser reconhecido, de canalizar a sua vontade e a afirmação do Eu. O impulso de criar, de ser, de poder, de comandar, de ser consciente. É o senso de individualidade, de irradiação, é a nossa intenção.

Expressões negativas das qualidades solares: orgulho, ostentação, dominação, abuso de poder, egotismo, elogio exagerado a si mesmo, exaltação pessoal, esnobismo, presunção, ambição exagerada, prepotência, autoritarismo, orgulho.

As expressões negativas acontecem sempre que as qualidades intrínsecas do planeta extrapolam os limites. No caso do Sol, podemos dizer que o resumo da expressão negativa solar é o que os gregos chamavam de hübris, que significa; a arrogância perante os deuses.

O Sol é o centro do nosso sistema planetário. Ele dá a vida, mas também queima e cega. Todo excesso é destrutivo. Por estarmos há trinta e seis anos “treinando” nosso Sol pessoal, estamos no auge da necessidade de sermos o centro das atenções. Viramos mesmo, criancinhas muito mimadas e tudo nos ofende e nos convida a lutar por nossos “direitos individuais”. Em 2017 chega Saturno e começa a colocar os limites e veremos um movimento radicalmente oposto às características solares; a dissolução do ego. Entraremos em um período de menos ego e mais responsabilidade. Rigor, severidade, responsabilidade, justeza, dentre outros atributos são de domínio do planeta Saturno, a obrigação de ser feliz, de ser o cara, de se destacar por qualquer coisa estará em baixa para dar lugar a mais seriedade, mais competência, e menos egolatria. Para ganhar fama e destaque muito terá que se trabalhar.

Esse tempo em que vale qualquer coisa desde que se “apareça na fita” dará lugar a mais responsabilidade e rigor nos feitos, mais seriedade e amadurecimento nos atos.

O Deus de amor e bondade, que está sempre pronto para atender o desejo dos seus filhos, dará lugar a um Deus mais exigente, que pedirá de seus filhos não mais orações arrebatadas, mas filhos mais maduros e responsáveis por seu amadurecimento espiritual. Mais trabalho e menos oba oba. O Deus que dá será substituído pelo Deus que cobra. As religiões evangélicas (as que mais vendem esse Deus que serve aos que nele creem) cairão em declínio ou, mudarão o discurso.

2016, como foi dito é um ano chave, no sentido literal da palavra: fecha e abre portas. Tanto por sua característica astrológica quanto numerológica. Será um ano em que as características solares, elencadas acima serão vividas à exaustão – é, além do mais, um ano governado pelo Sol – e, portanto, as características negativas do símbolo estarão mais exacerbadas para então sermos “castigados pelos deuses por nossa hübrys” e então nos recolhermos à nossa insignificância e pararmos com essa banalidade vaidosa e vulgar do culto à persona.

Em 2016 seremos desafiados a nos desapegarmos de tudo aquilo que na verdade não tem consistência para então vivermos o próximo período, sob Saturno. Será um ano muito duro, de muito teste aos governantes vaidosos e centralizadores. Lhes será exigido mais respeito, seriedade, responsabilidade e talvez uma volta ao conservadorismo possa acontecer. Saturno é o velho, a tradição, o passado.

A farra do vale tudo, desde que se tenha 15 minutos de fama, a partir de 2016 vai aos poucos se acabando. A tal arte contemporânea que teve sua máxima representação no círculo de “humanos” metendo o dedo no fiofó do parceiro da frente dará lugar a uma arte mais fina, mais rigorosa, mais séria e competente.

Até para mim, que escrevo esses prognósticos, me custa acreditar que esse comportamento está nos seus estertores. Me custa crer que essa egoidolatria possa se modificar, mas aguardemos… somos muito pequenos para racionalizar os desígnios dos tempos.

Claro que o ciclo solar não teve apenas as características negativas do planeta. Nos desenvolvemos como indivíduos, conquistamos muitas coisas no aspecto pessoal, aprendemos a nos valorizar mais como pessoas, independentemente da cor da pele, da raça, do sexo e do lugar pessoal na escala social. Aprendemos a cuidar mais e melhor de nós mesmos e a nos respeitar mais como indivíduos, a não engolir sapo por lebre, a nos posicionarmos mais pelo que somos e somos capazes de ser e de criar.

Porém estamos prestes a entrar na fase de menos ego e mais rigor.

Para entendermos o ciclo que iniciaremos a partir de 2017, é preciso conhecer as características de Saturno:

Qualidades saturninas: perseverança, paciência, firmeza, constância, resignação, segurança, solidão. O valor mais alto, a função social, o dever. Responsabilidade, reserva, experiência, seriedade, limitação, restrição, parcimônia, abnegação, o esforço contínuo, a construção, o envelhecimento, o esforço disciplinado, a aceitação dos deveres e das responsabilidades, a cristalização, a sabedoria e o respeito.

Expressões Negativas das qualidades saturninas: limitação, severidade, frieza, depressão, dogmatismo. Sombrio, temeroso, avaro, pessimista, cético, melancólico, exigente, indiferente, impotente, reservado, covarde, lento, pesado, restritivo.

O novo ciclo que se inicia a partir de 2017 sem dúvida nenhuma trará mais contenção, mais limitações, menos abundância, menos superficialidade e mais profundidade. Menos exuberância e mais limitações. Porém, para quem viveu à exaustão o ciclo do faço o que quero doa a quem doer, creio que teremos anos de não posso tudo o que quero, pois, minha liberdade termina onde começa a do outro. Isso é Saturno: o limite.

Que ele venha e que seja bem-vindo.

 

Por: Rose Villanova

Via: astrologiaearte.blogspot.com.br

 

 

DEZ MANDAMENTOS PARA O TRABALHO ESPIRITUAL

306

  1. Não se desconectar da matéria. O excesso de espiritualismo pode criar uma descompensação com graves prejuízos para a vida pessoal e material de uma pessoa. A matéria é tão importante quanto o espírito; ambos são matizes, graus da mesma manifestação. Nenhum dos dois pode prevalecer sobre o outro.

ANTÍDOTO: EQUILÍBRIO.

 

  1. Não despertar os poderes antes da consciência. Os poderes estão a serviço da consciência. Não é preciso buscá-los; quando chega o momento, eles surgem naturalmente. Buscar o poder antes do saber é inverter a ordem natural do processo. Para que sirvam a consciência, os poderes devem ser doados a partir de algo além de nossa vontade.

ANTÍDOTO: EQÜANIMIDADE.

 

  1. Não fixar-se em pessoas em vez de em suas informações. Você não monta uma casa em um túnel. Ele é só um meio para se chegar até ela. Quem depende de um mestre volta à infância psicólogica. Em um processo de iniciação ou terapêutico isso pode ser necessário, mas somente como uma fase a superar, e não como um estado onde parar.

ANTÍDOTOS: DISCERNIMENTO E MODERAÇÃO.

 

  1. Não sentir excesso de autoconfiança. Quem se crê autosuficiente é uma presa fácil para os agentes do engano e não raro se vê envolvido por eles. Quem crê demais na própria capacidade está fadado a equivocar-se.

ANTÍDOTO: DESCONFIAR DE SI MESMO.

 

  1. Não sentir-se superior. Nunca julgue que a própria linha de trabalho é superior às demais. Essa superioridade é a antítese do esoterismo, que afirma justamente a onipresença da consciência em todos os seres e caminhos. Essa postura desconecta uma pessoa das autênticas correntes da consciência amplificada, e é o ponto de partida para a via negra.

ANTÍDOTO: EQÜIDADE.

 

  1. Não deixar-se levar por impulsos messiânicos. A vontade de salvar os demais é uma armadilha fatal. Sua tela de fundo é a vaidade e a insegurança. Essa fobia paranóica rompe com os canais de conexão com o mestre interior, bloqueia o processo de autoconhecimento e lança a espiritualidade numa espiral involuta, além de inibir o direito ao “livre-arbítrio de cada um”.

ANTÍDOTO: CONFIANÇA NA EXISTÊNCIA.

 

  1. Não tomar medidas inconseqüentes. O entusiasmo pode levar uma pessoa a romper com seu círculo profissional e familiar sem necessidade. Com o “fluir” ou o “fechar os olhos e saltar” — axiomas que só deveriam ser usados em situações muito especiais —, os idiotas mais entusiasmados do mundo esotérico incentivam os recém-chegados a se arrebentarem logo na largada.

ANTÍDOTO: RESPONSABILIDADE SERENA.

 

  1. Não agir com demasiada rigidez. Encantada com as novas informações que lhe ampliam a consciência, uma pessoa pode-se tornar intolerante. Ela tem a tentação de impor sua forma de pensar e seus modelos de conduta aos demais. Limitando sua capacidade de ver a partir de outras perspectivas, ela perde o acréscimo de consciência que havia conquistado.

ANTÍDOTO: TOLERÂNCIA E RELAXAMENTO.

 

  1. Não se dispersar. Estudar ou praticar demasiadas coisas ao mesmo tempo sem aprofundar-se em nenhuma delas leva a uma falsa sensação de saber. Nessa atitude, pode-se passar uma vida inteira andando em círculos, enquanto se faz passar por um sábio.

ANTÍDOTO: CONCENTRAÇÃO.

 

  1. Não abusar. Manipuladas, as informações espirituais servem de álibis ou justificativas convincentes para os piores atavismos. Usar essas informações para fins muito particulares é um crime. Ninguém profana impunemente o que pertence a todos.

ANTÍDOTO: RETIDÃO E INTEGRIDADE.

 

Equilíbrio, eqüanimidade, discernimento e moderação, eqüidade, tolerância e relaxamento, confiança na existência, responsabilidade serena, desconfiança de si mesmo, concentração, retidão e integridade são a grande proteção daquele que se aventura pelo mundo espiritual e esotérico.

Por outro lado, quem se assegura dessas qualidades pode fazer o que quiser nesse campo que estará sempre num bom caminho.

 

 

NOTA:  Não conhecemos o autor deste texto – se alguém souber com segurança favor nos avisar para que possamos dar os devidos créditos.

 

OS QUATRO ELEMENTOS: SIGNIFICADOS FÍSICOS E RELAÇÕES EMOCIONAIS

4 elementos

A influência que a natureza exerce sobre todos nós e sobre as energias que circundam o mundo é clara; fato ainda reforçado quando observamos que muitas entidades cósmicas e espirituais também estão intimamente ligadas às energias naturais específicas, como no caso dos quatro elementos. É comum os encontrarmos servindo como ferramentas poderosas para a canalização de energias espirituais, agregando ainda a isso suas próprias energias elementais.

 

Os quatro elementos


A representação mais icônica das forças naturais talvez sejam os quatro elementos principais, como Ar, Fogo, Água e Terra. Eles são tão marcantes e essenciais às diferentes formulações mágicas que se encontram amplamente difundidos pela cultura geral, mesmo que de forma superficial.

Ar


Este é o símbolo natural das ideias, do poder mental, da comunicação, mudanças, a sabedoria e acima de tudo, da liberdade. Em geral mais seco, expansivo e até mesmo masculino, o ar é destaque em meios acadêmicos ao buscar sempre pela sabedoria e a consciência. Essa busca pelo esclarecimento incessante o torna o guardião do Leste, que nada mais é que a direção da luz, sendo representado pelo amarelo do sol e do céu na aurora.

Fogo


Dentre os quatro elementos, esse símbolo do poder ígneo está ligado ao poder impulsivo da paixão, da força de vontade, da conquista e sexualidade. É sempre representado como uma força destruidora e energética, mas que traz limpeza e renovação por onde passa, demostrando a fagulha divina que está presente em todo ser vivo. A magia relacionada ao fogo pode ser considerada por muitos como perigosa, mais isso é apenas o reflexo da surpresa que normalmente se tem ao lidar com tal força voraz que se manifesta de forma rápida, espetacular e avassaladora, com resultados que vão muito além do que geralmente se espera.

Água


O elemento aquático é talvez o mais feminino da natureza, possuindo uma ligação muito íntima com o poder da intuição, do subconsciente, da cura, do amor e das formas fluentes. A água representa a mutação e a fluência constante dos aspectos da vida que nunca permanecem no mesmo lugar, mostrando que nada é eterno ou imutável, por mais que se deseje. É também um símbolo de germinação e absorção, associada à capacidade de adaptabilidade do ser humano e de magias de gelo, neve, neblina, entre outras.

Terra


O elemento telúrico é o maior símbolo natural da estabilidade, da firmeza, fertilidade, criação e harmonia. Ele é a nossa maior ligação com o plano físico e a dimensão consciente, sendo o reino mais abundante e sinônimo de riqueza e prosperidade; é sobre esse reino dos quatro elementos que todos os demais se apoiam, atuando como um forte alicerce. Esse elemento é emocionalmente ligado à teimosia, a estabilidade, confiança e ao cuidado com o corpo. Desse modo, é magicamente mais utilizado na construção de objetos, na busca por conquistas materiais, no progresso, no sucesso de carreira e na força física.

O CREDO DAS SACERDOTISAS

 

1394028_691982080814265_1397727732_n

Ouça agora a palavra das Sacerdotisas,
os segredos que na noite escondemos,
Quando a obscuridade era caminho e destino,
e que agora à luz nós trazemos.

Conhecendo a essência profunda,
dos mistérios da Água e do Fogo,
E da Terra e do Ar que circunda,
manteve silêncio o nosso povo.

No eterno renascimento da Natureza,
à passagem do Inverno e da Primavera,
Compartilhamos com o Universo da vida,
que num Círculo Mágico se alegra.

Quatro vezes por ano somos vistas,
no retorno dos grandes Sabás,
No antigo Halloween e em Beltane,
ou dançando em Imbolc e Lammas.

Dia e noite em tempo iguais vão estar,
ou o Sol bem mais perto ou longe de nós,
Quando, mais uma vez, Bruxas a festejar,
Ostara, Mabon, Litha ou Yule saudar.

Treze Luas de prata cada ano tem,
e treze são os Covens também,
Treze vezes dançar nos Esbás com alegria,
para saudar a cada precioso ano e dia.

De um século a outro persiste o poder,
Que através das eras tem sido levado,
Transmitido sempre entre homem e mulher,
desde o princípio de todo o passado.

Quando o círculo mágico for desenhado,
do poder conferido a algum instrumento,
Seu compasso será a união entre os mundos,
na Terra das sombras daquele momento.

O mundo comum não deve saber,
e o mundo do além também não dirá,
Que o maior dos Deuses se faz conhecer,
e a grande Magia ali se realizará.

Na Natureza, são dois os poderes,
com formas e forças sagradas,
Nesse templo, são dois os pilares,
que protegem e guardam a entrada.

E fazer o que queres, será o desafio,
como amar a um Amor que a ninguém vá magoar.
Essa única regra seguimos a fio,
para a Magia dos antigos se manifestar.

Oito palavras o credo das Sacerdotisas enseja:
sem prejudicar a ninguém, faça o que você deseja!

 

Doreen Valiente, “Witchcraft For Tomorrow” pp.172-173

Versão Traduzida para o Português

 

O SAGRADO FEMININO

5

 

“Sagrado Feminino” significa várias coisas, uma vez que se expressa em várias dimensões da vida:

• Na dimensão espiritual significa incluir e valorizar o feminino como uma dinâmica igualmente fundamental da força criativa da vida e do Divino. O yang não pode existir sem o yin. Significa lembrar a nossa interconexão e unicidade: não estamos separados uns dos outros nem da criação.

• Na dimensão religiosa, significa incluir e honrar o rosto feminino de Deus na expressão religiosa, rituais e cerimônias, com linguagem inclusiva (como Deusa Mãe/ Deus Pai). Significa reconhecer e honrar as divindades femininas e arquétipos da Deusa ao longo de toda a história e culturas.

• Na dimensão planetária significa ver a Mãe Terra como a nossa Mãe, respeitando-a e curando-a.

• Na dimensão cultural significa reconhecer a sacralidade de toda a vida, a nossa rede de interconexão e comunidade; celebrar a grandeza e sabedoria do feminino em todas as culturas, nas artes e na expressão criativa.

• Na dimensão psicológica, significa recuperar as qualidades do Feminino como importantes qualidades interiores de totalidade e equilíbrio dentro de cada indivíduo, do sexo feminino e masculino.

• Na dimensão humana, significa valorizar a mulher como pessoa inteira-corpo, mente e espírito e valorizar as mulheres em igualdade com os homens.

• Na dimensão social, significa resgatar as vozes, visões e sabedoria das mulheres para serem recebidas e integradas ao serviço da cura social e do equilíbrio. Significa valorizar as contribuições das mulheres em casa, como cuidadoras, bem como no local de trabalho e na comunidade.

• Na dimensão política, significa usar a autoridade do poder para servir o bem maior, para proteger e servir a vida e não para dominação, ganância e interesse pessoal. Significa proteger a riqueza comum dos recursos planetários, tais como água, comida, ar, solo, energia.

• Na dimensão histórica, significa reconhecer e ensinar nas escolas as descobertas arqueológicas das culturas da Deusa, no tempo pré-patriarcal, baseadas em valores de parceria e aprender com elas um paradigma de sociedade que usa o poder para servir a vida, e não por ganância. Significa também incluir na história as contribuições das mulheres, bem como a história do Holocausto das Mulheres (600 anos de fogueira).

• Em valores da vida diária que significa boas-vindas, incluindo e ouvindo um ao outro, ao serviço da compreensão. Significa aceitar e respeitar as diferenças. Estar aberta à compaixão. Significa estar aterrado no coração, usando a cabeça a serviço de um bem maior. Significa incluir a intuição na percepção e tomada de decisão. Isso significa estar ligado à bondade, vivacidade, sensualidade e sabedoria de o corpo. Significa usar o poder pessoal para servir e para criar, não para dominar e explorar.

Texto: Vikki Hanchin, LSW

Traduzido e adaptado por SM/IC/A mulher e a SexualidadeSagrada