5 DICAS PARA ATRAIR COISAS BOAS

1406

Dizem que os pensamentos positivos são capazes de atrair coisas boas, porém, eles sozinhos não são capazes de fazer muita coisa, mas te motivam a tomar atitudes positivas também. É como se você estivesse em um dia inspirado: se você tem um “gás extra”, é normal querer ir mais atrás das coisas, não ter medo das oportunidades e ver tudo com muito mais otimismo. E tudo isso inevitavelmente resultará em progresso.

Há também a velha questão do “ovo e da galinha”: “é o pensamento positivo que atrai coisas boas, ou nossas ações?”. No final das contas, não interessa quem começou primeiro, o que importa é que atitudes positivas sempre resultarão em energias positivas e vice-versa. E é justamente pensando nisso, fiz uma lista prática para ajudar nesse ciclo do bem:

1. Se envolva com pessoas

Se engana quem pensa que tudo vem das coisas e que é capaz de fazer tudo sozinho. Por mais que você viva bem consigo mesmo, medite e tenha paz de espírito, os melhores resultados e sensações virão de um conjunto de coisas que inevitavelmente envolverão você se dar bem com outras pessoas. Se for pensar bem, tudo de bom que você tem envolveu a participação de terceiros: desde saber meditar – que te fez precisar de um professor – até ter um filho e poder dar continuidade à vida.

Viver bem consigo mesmo é bom, mas são as pessoas que te farão dar risadas, te ajudarão a conquistar objetivos, entre outras coisas.


2. Nunca faça um favor procurando retorno imediato

Também se engana quem pensa que se fizer um favor a alguém, o pagamento virá da pessoa que foi beneficiada. Independente de você esperar ou não por “um pagamento”, ele sempre virá da vida, em um processo natural e inevitável, lindamente deduzido pela máxima “colhemos o que plantamos”.

Sem contar que se você fizer algo já pedindo para a outra pessoa fazer “tal coisa” por você, fora tirar toda a magia da sua ação, não será mais chamado de favor, mas sim de troca de serviços. Quando é favor, é feito de coração e o seu único pagamento será a felicidade por ter sido útil e ter feito alguém feliz. É brega, eu sei, mas é lindo também.


3. Escreva

Coisas ruins que acontecem não só tendem a ocupar grande parte do nosso pensamento, como costumam ficar dias a fio na nossa cabeça. Mude o foco e experimente escrever ao final de todos os dias coisas boas que te aconteceram.

“Hoje eu fiz uma amizade nova na academia”;

“Hoje eu chorei de tanto rir com a piada de fulano de tal”;

“Hoje o almoço estava delicioso”.

Parece um exercício um tanto quanto infantil, mas é capaz de atrair consequências inigualáveis.


4. Não exteriorize os seus problemas

Não adianta todo santo dia exteriorizar tudo de ruim que aconteceu contigo às outras pessoas: fora cansar, se você se repetir demais, a maioria delas perderão o interesse em te ouvir, outras vão mudar de assunto e outras simplesmente não saberão como te dar o melhor conselho. Sendo assim, cuidado para não fazer do ato de falar sobre o ocorrido apenas mais uma forma de atrair energia negativa, não só para você, como para a outra pessoa que te ouve.

Quer que as coisas deem certo? Converse com você mesmo, com o seu interior, até chegar a uma conclusão coerente, nem que seja a de que o melhor a se fazer é ficar quieto e deixar rolar. Só não se apresse, nem se martirize pelo o que não está ao seu alcance: ficar ansioso é só uma forma de você não conseguir o que quer, não só porque bloqueia a mente, como também porque te faz fazer tudo errado na ânsia de fazer dar certo.


5. Fé

Não importa a sua religião, nem se você acredita em Deus. Ter fé é saber que tudo na sua vida tem um propósito, que tudo vai dar certo e que depende muito mais de você do que você imagina. Eu sei que às vezes é duro, a gente pensa “na próxima vai dar certo”, e não dá. Nem da próxima, nem da próxima. É pedrada atrás de pedrada na cabeça. Porém, tenha certeza de que se está já está ruim e você ainda por cima inventar de perder a força de vontade e a fé, aí sim você acabou de lascar tudo de vez.

Aconteça o que acontecer, tire um tempo para si: ore, acenda incenso, limpe a casa, tome banho com sal grosso. Ponha gato, cachorro, periquito, papagaio no colo – enfim, qualquer coisa que te faça se sentir melhor. Nessas horas, não existe essa de “funciona ou não funciona”. Existe o que você acredita. E se você acredita, te faz bem e consequentemente funciona.

Reze, relaxe, releve. A princípio, os fatos externos não irão mudar, porém, se você conseguir mudar o seu interior, consequentemente isso influenciará nos próximos fatos externos que acontecerão contigo.

 

___

Via: Pergunte a uma Mulher

O SAGRADO FEMININO

5

 

“Sagrado Feminino” significa várias coisas, uma vez que se expressa em várias dimensões da vida:

• Na dimensão espiritual significa incluir e valorizar o feminino como uma dinâmica igualmente fundamental da força criativa da vida e do Divino. O yang não pode existir sem o yin. Significa lembrar a nossa interconexão e unicidade: não estamos separados uns dos outros nem da criação.

• Na dimensão religiosa, significa incluir e honrar o rosto feminino de Deus na expressão religiosa, rituais e cerimônias, com linguagem inclusiva (como Deusa Mãe/ Deus Pai). Significa reconhecer e honrar as divindades femininas e arquétipos da Deusa ao longo de toda a história e culturas.

• Na dimensão planetária significa ver a Mãe Terra como a nossa Mãe, respeitando-a e curando-a.

• Na dimensão cultural significa reconhecer a sacralidade de toda a vida, a nossa rede de interconexão e comunidade; celebrar a grandeza e sabedoria do feminino em todas as culturas, nas artes e na expressão criativa.

• Na dimensão psicológica, significa recuperar as qualidades do Feminino como importantes qualidades interiores de totalidade e equilíbrio dentro de cada indivíduo, do sexo feminino e masculino.

• Na dimensão humana, significa valorizar a mulher como pessoa inteira-corpo, mente e espírito e valorizar as mulheres em igualdade com os homens.

• Na dimensão social, significa resgatar as vozes, visões e sabedoria das mulheres para serem recebidas e integradas ao serviço da cura social e do equilíbrio. Significa valorizar as contribuições das mulheres em casa, como cuidadoras, bem como no local de trabalho e na comunidade.

• Na dimensão política, significa usar a autoridade do poder para servir o bem maior, para proteger e servir a vida e não para dominação, ganância e interesse pessoal. Significa proteger a riqueza comum dos recursos planetários, tais como água, comida, ar, solo, energia.

• Na dimensão histórica, significa reconhecer e ensinar nas escolas as descobertas arqueológicas das culturas da Deusa, no tempo pré-patriarcal, baseadas em valores de parceria e aprender com elas um paradigma de sociedade que usa o poder para servir a vida, e não por ganância. Significa também incluir na história as contribuições das mulheres, bem como a história do Holocausto das Mulheres (600 anos de fogueira).

• Em valores da vida diária que significa boas-vindas, incluindo e ouvindo um ao outro, ao serviço da compreensão. Significa aceitar e respeitar as diferenças. Estar aberta à compaixão. Significa estar aterrado no coração, usando a cabeça a serviço de um bem maior. Significa incluir a intuição na percepção e tomada de decisão. Isso significa estar ligado à bondade, vivacidade, sensualidade e sabedoria de o corpo. Significa usar o poder pessoal para servir e para criar, não para dominar e explorar.

Texto: Vikki Hanchin, LSW

Traduzido e adaptado por SM/IC/A mulher e a SexualidadeSagrada

 

AS MULHERES SAGRADAS

1307

Houve um tempo, em que todas as mulheres eram sagradas.
Em que eram vistas como Deusas, como senhoras de seu próprio destino.

Houve um tempo, em que o corpo era sagrado, em que o sexo era uma prece. Em que homens e mulheres respeitavam-se e reverenciavam-se.

Houve um tempo em que a mulher era feiticeira, faceira, tecelã, curandeira, parteira.

A mulher banhava-se na natureza, perfumava-se com jasmim. Andava de pés descalços, corria pela mata. Usava compridas saias, rodadas, coloridas, leves. Dançava para ela, dançava para a vida, dançava para seduzir, dançava para fertilizar.

Sua voz era como o canto da mais bela ave. Sua beleza era fascinante, encantadora. Era aos poetas a inspiração e aos músicos, canção. A mulher era rendeira, cozinheira, mãe, sagrada, admirada. De joias e pedrarias era adornada e, da natureza, sua maquiagem retirava.

Onde está esta mulher?
Em que fase da história ou período ela perdeu-se?
Onde devemos procurá-la?
Na verdade, esta mulher-sagrada ainda existe. Está imersa em outras formas, em outras faces, em outros costumes. Mas se priva, se poda, se adapta, se escraviza… E não lembra do que já foi em sua totalidade.

Hoje esta mulher é empresária, médica, advogada, policial, recepcionista, dona-de-casa, política, enfermeira, escritora, estilista. Ela ainda está aqui, mas não lembra quem realmente é. Perdeu a memória. Esqueceu-se de sua sacralidade, de sua divindade, de sua superioridade.

Mulher!
Coloca tua saia rodada, penteia-se com o orvalho, tira o sapato dos pés.
Permita-se bailar com o vento, satisfazer seus desejos, impor sua vontade.
Permita-se amar, realizar, cantar.
Permita-se sentir bela, amada, desejada, sentir prazer.
Permita-se fazer aquilo pelo qual tua alma anseia.
Permita-se honrar a Deusa, ao Deus, à natureza.
Permita-se viver a tua vida, e ser a senhora absoluta do teu destino.

Mulher, dentro de ti há tantas outras, que tu ignora totalmente.
Será você fértil doce e maternal como Deméter?
Ou vingativa como as três Fúrias?
Quem sabe arrebatadora e feroz, como as Harpias.
Talvez seja feiticeira, sábia e misteriosa como Hécate.
Ou soberana e dotada de magia como Ísis, mãe dos egípcios.
Um tanto implacável, forte e destemida como Kali.
Encantadora e misteriosa como as Nereidas.
Quem sabe é curiosas como Pandora. Confiável e mensageira, como Íris.
Ou justa como Têmis. Talvez seja sensual, impulsiva e totalmente movida pela paixão, como Afrodite.
Ou seja, selvagem como Ártemis.
Pode ser que seja repleta de cores e amores como Eros. Ou então maléfica como Éris.
Mas… Possivelmente, sejas todas elas juntas!

Mulher, vem!
Resgata o teu papel, o teu feminino sagrado, tua ancestralidade.
Não tenha medo de seguir a luz, de se entregar ao Sol.
Muito menos de mergulhar nas trevas do submundo, das fogueiras, dos encantamentos.
Prove de todos os reinos e sabores, permita-se viver intensamente cada instante.
Siga seus instintos e extintos.
Seja simplesmente você.

 

(Autor desconhecido)

Via ❥ As Flores de Gaia

Apoio e Divulgação: Cibele Santos – Nutricionista, Taróloga, Shamanic Healer e Facilitadora de Círculos do Sagrado Feminino

DESVENDANDO O SAGRADO FEMININO

11222460_678440888957262_4176592884545182042_n

Algumas mulheres em todo o mundo se orgulham tanto de sua condição que seguem uma filosofia de vida chamada “Sagrado Feminino”. Esse estilo de vida – que vem sendo adotado pelo público feminino há milênios – oferece ensinamentos sobre nosso corpo, nosso emocional e nossos ciclos femininos, e ainda orienta de que forma podemos harmonizá-los com a natureza.

Isso significa que quando as mulheres passam a se desligar um pouco do mundo tecnológico e rotineiro, ou seja, buscam descobrir mais sobre si próprias, se interiorizando, percebendo melhor seus instintos, suas vontades e seus ciclos femininos (como a menstruação e a gestação), elas relatam que o mundo a sua volta – e aquele que existe dentro delas – parece mudar. É como se uma nova consciência as abraçasse.

Esse despertar para uma nova consciência sobre si mesma pode ser interpretado como a saída da supremacia patriarcal – repressora e cheia de regras – para a entrada em um mundo mais maternal, afetivo e artístico, além de menos racional e mais sensível.

O conhecimento do Sagrado Feminino é adquirido através de livros, cursos e grupos de estudos chamados de “círculo de mulheres”. Nesta filosofia, as mulheres estudam um conceito diferente sobre si próprias, que engloba os aspectos emocionais guardados no corpo, a sintonia entre a menstruação e as fases da lua, a veneração das Deusas de todas as mitologias e a semelhança delas com cada mulher, assim como a influência que a natureza tem sobre nosso corpo e psique.

SAGRADO FEMININO ENSINA A TER MAIS AUTOESTIMA

No Sagrado Feminino, mulheres de todas as culturas, religiões e crenças aprendem a se desvincular de padrões de beleza e regras pré-estabelecidas pela sociedade. Elas descobrem como se amar exatamente como são e passam a se enxergar como verdadeiras “Deusas”. Afinal, o ato de gerar, parir, nutrir, amar e intuir pode ser considerado uma dádiva proporcionada às mulheres.

Nesta filosofia de vida, as mulheres passam a valorizar mais seus ciclos naturais, como a menstruação, a maturidade, a gestação, o parto e a amamentação. No entanto, não são induzidas a serem radicais ao viver esses períodos ou exercer determinadas funções. O valor está em aceitar a naturalidade das coisas, seu histórico de vida, vontades e capacidades. Aprendendo a se conhecer de forma mais profunda e a aceitar os acontecimentos da vida e a si mesma, as feridas começam a ser curadas e as mulheres passam a ser mais felizes, amáveis e únicas.

Você descobre, então, que ser mulher não significa ter um parto natural, amamentar ou se sentir bem na própria pele quando está grávida. Na verdade, o objetivo é entender como você traz seu amor e feminilidade para todas essas fases da vida.

COMO O SAGRADO FEMININO AJUDA NAS RELAÇÕES AMOROSAS?

O amor pode ser definido por cada pessoa de uma forma diferente. De todo modo, é importante lembrar que não pode haver plenitude e entrega sincera e verdadeira se não houver segurança. E isso é desenvolvido por meio do autoconhecimento. Afinal, quando você se conhece, se entende, sabe do que gosta e o que quer, tudo fica mais fácil.

As energias de atração da vida precisam saber exatamente o que você quer, para que caminhem em sua direção. Esse é o primeiro passo. Então reflita: qual tipo de pessoa parceira você quer pra si? Escreva em um papel todas as características que busca no outro ou até mesmo na cara metade. Você precisa saber o que quer!

Na filosofia do Sagrado Feminino, o segundo passo é viver a experiência de amar sem depender da pessoa para viver, afinal o amor próprio deve vir em primeiro lugar. É através da estima por si mesma que a paixão durará. A independência de cada um dentro da relação traz o desejo de ambos se dedicarem ao outro, favorecendo o relacionamento.

Por fim, o terceiro passo ensinado pelo Sagrado Feminino é descobrir sua Deusa Interior e trazer características dela para sua relação. A Deusa Interior é o simbolismo da essência mais pura que existe em você. Ou seja, são as suas virtudes, suas belezas mais primitivas, a sua guerreira que sabe o que quer e é determinada nessa busca, é a sua fera, a sua loba. É também não ter vergonha de ser você mesma, não se poupar por conta do que a sociedade pede que você seja. Afinal, a pessoa parceira, quando se atrai por você, quer o seu melhor.

SAGRADO FEMININO TAMBÉM BENEFICIA SEXUALIDADE

Problemas como falta de amor próprio ou de expressão criativa e dores e frustrações nos relacionamentos que foram reprimidos serão manifestados nos órgãos sexuais e também no comportamento na cama – o que explica, por exemplo, porque algumas mulheres sentem dificuldade durante o ato sexual.

A cura e a integração da mulher à energia da sua sexualidade dependerão especialmente do entendimento que ela possui sobre suas simbologias físicas, emocionais, mentais e espirituais. Mesmo que não se dê conta, toda sua experiência sexual e descoberta como mulher ficam registradas em sua mente. Suas crenças serão então reproduzidas na sua vida sexual, mesmo que você não perceba.

Por exemplo: uma mulher de origem familiar tradicional, com pais repressores, que puniam ou não incentivavam sua expressão sexual, geralmente irá reproduzir comportamentos de autopunição com o sexo, o que pode gerar dificuldade de chegar ao orgasmo, dores na relação, diminuição da libido e fuga do sexo.

Na filosofia do Sagrado Feminino, uma forma de autotratamento para dificuldades sexuais é feita por meio da expressão da criatividade. Ou seja, é através da dança, artesanato, desenho, escrita, maquiagem ou toda forma de autocuidado, que a mulher aprende a manifestar seu lado criativo. O ventre – que está intimamente ligado ao órgão sexual e ao sexo – é uma região que simboliza a criação. Portanto, ele recebe as energias curativas para essas dificuldades por meio da criatividade.

RELAÇÃO ENTRE SAGRADO FEMININO E VIDA PROFISSIONAL

Sua profissão é a expressão da sua função para o mundo. Não importa o que você faz, todo ofício é necessário. E mais importante que pensar “para que esse trabalho me serve?” – levando em consideração que seu emprego traz dinheiro e o próprio sustento – é lembrar que a maior importância da profissão está na reflexão sobre “o que ela oferece para minha identidade?”.

Para aumentar seu sucesso profissional, o seu prazer pela carreira e até mesmo os resultados do que produz, você precisa entender exatamente sua relação com a profissão. O que lhe faz gostar do trabalho? O que você espera com ele? Como ele lhe completa? Ele favorece a sua autoexpressão e suas virtudes?

Para lhe ajudar nestes questionamentos, você pode recorrer aos arquétipos das Deusas que mais se identifica e descobrir como tirar proveito desse conhecimento em sua carreira profissional.

DEUSAS REVELAM SEU PERFIL PROFISSIONAL

  • Afrodite: buscar o amor pela arte e pela beleza em seu trabalho lhe deixará mais feliz. A mulher Afrodite será aquela que procura interagir com os colegas de trabalho ou os clientes. Além disso, pode trabalhar com beleza e arte, ou simplesmente gostará de embelezar o escritório decorando a mesa em que trabalha, por exemplo. Essa é a mulher que mais necessita trabalhar com o que lhe causa paixão. Sempre está bem arrumada e com um detalhe sedutor e feminino.
  • Atena: para essa mulher, o trabalho já é um prazer por si só. Ela poderá buscar ainda mais totalidade em sua profissão através da comunicação com o público ou buscando estar sempre bem vestida no emprego, de preferência de acordo com a tendência de moda. Isso lhe trará mais bem-estar.
  • Deméter: essa mulher gosta de fazer o papel de mãezona no ambiente profissional, já que é protetora e zelosa com os colegas e as tarefas realizadas. Para se sentir bem no emprego, a Mulher Deméter pode tentar levar o ambiente de casa para o trabalho, colocando fotos da família em sua mesa ou levando a comida de casa para o escritório, ao invés de comer em algum restaurante. Dessa forma, a mulher Deméter se sentirá mais acolhida e tende a ter mais prazer no local de trabalho.
  • Ártemis: essa mulher gosta de ter liberdade no trabalho, não se sente à vontade cumprindo ordens e seguindo regras. Quanto mais liberdade de autoexpressão tiver, mais feliz com o emprego estará.
  • Perséfone: precisará que o trabalho lhe traga benefícios pessoais, como por exemplo: se trabalhar em uma livraria, desejará poder ler alguns livros comercializados no local. E quanto mais sozinha ela atuar, mais dinâmico será o seu desenvolvimento.
  • Hera: as mulheres que se identificam com o arquétipo dessa Deusa gostam de liderar no trabalho. Além disso, devem buscar fazer uso da criatividade e de sua facilidade em promover eventos. É nessas tarefas que encontrarão mais realização.

 

Via: Personare

Apoio e Divulgação: Cibele Santos – Nutricionista, Taróloga, Shamanic Healer e Facilitadora de Círculos do Sagrado Feminino

A MULHER, A LUA E SEUS CICLOS

deusa1

Na Antigüidade, o ciclo menstrual da mulher seguia as fases lunares com tanta precisão que a gestação era contada por luas. Com o passar dos tempos, a mulher foi se distanciando dessa sintonia e perdendo, assim, o contato com seu próprio ritmo e seu corpo, fato que teve como conseqüência vários desequilíbrios hormonais, emocionais e psíquicos. Para restabelecer essa sincronicidade natural, tão necessária e salutar, a mulher deve se reconectar à Lua, observando a relação entre as fases lunares e seu ciclo menstrual. Compreendendo o ciclo da Lua e a relação com seu ritmo biológico, a mulher contemporânea poderá cooperar com seu corpo, fluindo com os ciclos naturais, curando seus desequilíbrios e fortalecendo sua psique.

Para compreender melhor a energia de seu ciclo menstrual, cada mulher deve criar um Diário da Lua Vermelha, anotando no calendário o início de sua menstruação, a fase da lua, suas mudanças de humor, disposição, nível energético, comportamento social e sexual, preferências, sonhos e outras observações que queira.

Para tirar conclusões sobre o padrão de sua Lua Vermelha, faça essas anotações durante pelo menos três meses, preferencialmente por seis. Após esse tempo, compare as anotações mensais e resuma-as, criando, assim, um guia pessoal de seu ciclo menstrual baseado no padrão lunar. Observe a repetição de emoções, sintonias, percepções e sonhos, fato que vai lhe permitir estar mais consciente de suas reações, podendo evitar, prever ou controlar situações desagradáveis ou desgastantes.

Do ponto de vista mágico, há dois tipos de ciclos menstruais determinados em função da fase lunar em que ocorre a menstruação. Quando a ovulação coincide com a lua cheia e a menstruação com a Lua Negra (acontece nos três dias que antecedem a lua nova, entendido como o quinto dia da lua minguante), a mulher pertence ao Ciclo da Lua Branca. Como o auge da fertilidade ocorre durante a lua cheia, esse tipo de mulher tem melhores condições energéticas para expressar suas energias criativas e nutridoras por meio da procriação.

Quando a ovulação coincide com a lua negra e a menstruação com a lua cheia, a mulher pertence ao Ciclo da Lua Vermelha. Como o auge da fertilidade ocorre durante a fase escura da lua, há um desvio das energias criativas, que são direcionadas ao desenvolvimento interior, em vez do mundo material. Diferente do tipo Lua Branca, que é considerada a boa mãe, a mulher do Ciclo Lua Vermelha é bruxa, maga ou feiticeira, que sabe usar sua energia sexual para fins mágicos e não somente procriativos.

Ambos os ciclos são expressões da energia feminina, nenhum deles sendo melhor ou mais correto que o outro. Ao longo de sua vida, a mulher vai oscilar entre os ciclos Branco e Vermelho, em função de seus objetivos, de suas emoções e ambições ou das circunstâncias ambientais e existenciais.

Além de registrar seus ritmos no Diário da Lua Vermelha, a mulher moderna pode reaprender a vivenciar a sacralidade de seu ciclo menstrual. Para isso, é necessário criar e defender um espaço e um tempo dedicado a si mesma. Sem poder seguir o exemplo das suas ancestrais, que se refugiavam nas Tendas Lunares para um tempo de contemplação e oração, a mulher moderna deve respeitar sua vulnerabilidade e sensibilidade aumentadas durante sua lua. Ela pode diminuir seu ritmo, evitando sobrecargas ao se afastar de pessoas e ambientes carregados, não se expondo ou se desgastando emocionalmente, e procurando encontrar meios naturais para diminuir o desconforto, o cansaço, a tensão ou a agitação.

Com determinação e boa vontade, mesmo no corre-corre cotidiano dos afazeres e obrigações, é possível encontrar seu tempo e espaço sagrados para cuidar de sua mente, de seu corpo e de seu espírito. Meditações, banhos de luz lunar, água lunarizada, contato com seu ventre, sintonia com a deusa regente de sua lua natal ou com as deusas lunares, viagens xamânicas com batidas de tambor, visualizações dos animais de poder, uso de florais ou elixires de gemas contribuem para o restabelecimento do padrão lunar rompido e perdido ao longo dos milênios de supremacia masculina e racional.

O mundo atual – em que a maior parte das mulheres trabalha – ainda tem uma orientação masculina. Para se afastar dessa influência, a mulher moderna deve perscrutar seu interior e encontrar sua verdadeira natureza, refletindo-a em sua interação com o mundo externo.

Texto de Mirella Faur 

A VOZ DO ÚTERO

1364

A voz do útero é a voz do amor. Ele contorce-se porque ainda estamos amarradas e aprisionadas. O feminismo abriu caminho às avessas e usamos a força do masculino adoecido o tempo todo: a dureza, a negação da emoção, do afeto, a luta pelo poder, o fechar dos nossos corações. O mesmo sofrimento impingido, passamos a impingir. Esse é o grande equívoco do movimento feminista. A luta pela igualdade foi e é necessária. Foi e ainda é um movimento importante de conscientização para que nós, mulheres, possamos ganhar autonomia interna, independência, maturidade e saiamos da condição de criança carente, da vitimização, do parasitismo. Mas, tudo isso, precisa ser banhado pela consciência amorosa para connosco mesmas. Sem essa consciência não há transformação possível. Abertura para amar, deixar a voz do coração falar. Quando há muito medo não há amor. E essa para mim é toda a dor do feminino. Porém, o momento é de retorno às nossas essências, e é por isso que as mulheres estão tão cansadas, pois elas precisam da sua força essencial, do seu amor de volta! As mulheres confusas e por isso cindidas (entre a santa e a puta) não reconhecem a supremacia do amor que brota do seu ser. E esta é a sua finalidade última. É a função da sua essência. Sinto que há um aprisionamento deste útero que quer amar e não sabe porque a mulher se aprisiona na sua própria dor, não vê saídas, não vê perspectivas, vê-se algemada o tempo todo. Será que não está na hora de olharmos para este corpo de dor e fazer um ritual de despedida? De limpeza, de cura? Não conseguimos ser inteiras porque o corpo de dor vive nos remetendo a essas injustiças que recebemos, tal qual uma criança carente, que não aceita mas também não se mexe, só reclama e continua a submeter-se. Amar é essencialmente a nossa função. Não é sermos boazinhas é sermos boas. Não é sermos passivas, é sermos conscientes dos nossos movimentos e quando devemos fazê-los. É termos voz. É alcançarmos a SABEDORIA perdida por entre vários opiniões, teorias e etc… É reconhecermos e apropriarmo-nos inteiramente do nosso poder. Já está na hora da força se expandir, não lutando mas amando. O feminino quer lembrar à mulher como é amar e devemos amar-nos para podermos curar o que nos cerca de ignorância e temor, dentro e fora de nós. Consciência sim, da nossa história antropológica e da nossa força espiritual pois precisamos nos libertar emocionalmente e mentalmente para sermos verdadeiramente LIVRES. Precisamos SER ESTA MULHER, que deixa a voz do útero falar. Uma coisa é ter consciência das nossas dores, outra coisa é tê-las como “armas” de proteção ou mesmo no uso de vinganças veladas ou não. Embora todas as pressões que ainda sentimos e vivemos, devemos seguir sem medo a mensagem da rosa, a essência do feminino em sua leveza, pureza, aroma, beleza, no amor que espalha e nos seus espinhos que revelam que ela não é frágil e nem tampouco desprotegida. É consciente de sua força, beleza, sabedoria e dignidade!

Texto adaptado de Rosa Barros

O DESPERTAR DA MULHER ANCESTRAL

1363

Como diz a Sabedoria das Curandeiras Andinas, antes de curarmos aos outros, precisamos nos curar.
Nós mulheres carregamos em nossa bagagem diversas roupas sujas, escuras que já não nos servem mais e com o medo de quando lavarmos a mesma não mais nos servir, carregamos mesmo sabendo que já não nos serve mais, pelo simples falta de termos medo de desapegar-se… Temos medo de desapegar de ciclos, de relacionamentos desgastantes, de empregos que não mais nos acrescentam, tudo isso com o medo do novo. Nos colocamos em situações de desgaste e esgotamento, quando o nosso coração nos diz que algo chegou ao fim, não escutamos e seguimos levando o fardo, acrescentando em nossos ombros pesos que não seriam necessários… Nos colocamos em situações que nos geram magoas e sofrimentos, quando poderíamos ser responsável por deixar a alegria e a paz em nosso interior.
Por carregarmos por tanto tempo esses pesos conosco, muitas vezes não conhecemos a nossa leveza, a nossa pureza e sensibilidade, não nos conhecemos como fêmeas, mas sim entramos em jogos de competição, de disputa e de chateações, ao invés de lembrarmos que o dom da mulher é o AMOR….
Quando nos abrimos para o despertar da Mulher Ancestral, começamos a desvelar em nosso ser muito dos nossos dons, e um deles é o de cuidar, acolher , curar… Começamos a perceber que conosco trazemos uma medicina, seja o tecer, o falar, o cantar, o cozinhar, algo que fazemos que faz bem a nós e aos outros, assim começamos a perceber que somos mulheres curandeiras, mulheres sabias, somos cíclicas e conosco carregamos o dom da alquimia
Mas antes de qualquer coisa devemos lembrar que para ajudar o processo de cura de cada ser que nos chega, a primeira a ser curada é nós mesmas, precisamos conhecer nossas sombras, nossos medos, nossa projeções, nossos erros e acertos, pois só assim conseguiremos enxergar o outro com compaixão, respeito, amor e principalmente sem julgamentos…
Para acolher e demonstrar amor o outro, só conseguiremos quando nós amarmos,e só podemos nós amar quando primeiramente formos as curandeiras de nós mesmas

Carol Shanti – Via Xamanismo para Mulheres