O JOGO DA VIDA

tumblr_lfcjz4GjiQ1qccvzso1_500_large

Você nasceu, cresceu e se tornou alguém, e olhe que com certeza alguém apostou em você. Aí chegou a hora de você conquistar o mundo. E seguiu em batalha, conquistando vitórias e algumas derrotas que lhe ensinaram algo. Porém, se você mudou por conta da massa de conformismo, ou pior, por conta do que os outros acham que você deve ser, você deixou de ser você, perdeu sua essência. E, sendo assim, com certeza virou um mero joguete na mão de inescrupulosos. Então, vou lhe dizer uma coisa que você já sabe: O mundo não é legal, não é um mar de rosas, pelo contrário, é um lugar difícil, cruel, cheio de armadilhas e de gente covarde, invejosa e perigosa. E se você fraquejar, esse mundo vai lhe por de joelhos e lhe fazer sofrer, implorar, chorar. No entanto, eu lhe digo que você só vai fraquejar se você deixar, pois nada lhe espancará tão forte como a vida. Será que você aguenta a pressão e ainda assim consegue seguir em frente? Se for corajoso e persistente, você vencerá muitas batalhas. Agora se você não souber se valorizar, não conquistará o que de melhor a vida tem para você. Mas tem que ser forte, guerreiro e destemido, e não ficar culpando os outros pelos seus fracassos, pois isso cheira a covardia, e só os fracos e mentirosos são covardes. Somos melhores do que acreditamos ser, pensar nisso eleva nossa autoestima. Saber viver, saber sonhar e ir atrás, é isso que define quem somos e o que queremos ser.

Anúncios

A TEORIA DOS SETÊNIOS – “OS CICLOS DA VIDA”

post-02-05

A Antroposofia é uma linha de pensamento criada pelo filósofo Rudolf Steiner que entende estabelece uma espécie de “pedagogia do viver”, pois ela abrange vários setores da vida humana como a saúde, a educação, a agronomia e outros. A Antroposofia compreende que o ser humano tem que conhecer a si para também conhecer o Universo, pois somos todos parte e participantes desse mundo. Conforme Steiner a Antroposofia é “um caminho de conhecimento que deseja levar o espiritual da entidade humana para o espiritual do universo”.

Dentro desse pensamento filosófico encontra-se uma forma cíclica de ver a vida chamada “teoria dos setênios”. Tal teoria foi elaborada a partir da observação dos ritmos da natureza, da natureza no sentido da vida, na qual todos nós estamos imersos. Ela divide a vida em fases de sete anos, vale lembrar que o número sete é um número místico dotado de muito poder em quase todas as culturas conhecidas.

A teoria dos setênios nos ajuda a compreender a condição cíclica da vida, em que a cada ciclo soma-se os conhecimentos adquiridos no anterior e busca-se um novo desafio. Claro que a teoria dos setênios pode também ser entendida como uma metáfora sistêmica, sabemos que as pessoas mudaram de um século para o outro, nosso desenvolvimento está mais acelerado, nosso organismo mais adaptado, talvez nem todas as descrições dos setênios façam tanto sentido hoje, mas ela continua atual em sua percepção do ser humano e suas fases. Assim, os setênios não são exatamente sete anos no tempo cronológico, mas a cada ciclo de X anos, de tempos em tempos.

Há também uma subdivisão possível desses ciclos. Os três primeiros ciclos, que compreendem nossa fase de 0 a 21 anos, são denominados “setênios do corpo”. É o ciclo do amadurecimento físico, do corpo, e também da formação da nossa personalidade. Os três ciclos seguintes que vão de 21 a 42 anos, são conhecidos como setênios da alma. É a fase em que, superadas as experiências básicas da vida, nos inserimos na sociedade fazendo as escolhas como casar ou não, trabalhar em uma área específica, conviver mais ou menos com a família. E, apenas a partir dos 42 anos, vivenciando os últimos setênios, estamos realmente prontos para imergirmos na vida com maturidade, profundidade e espiritualidade.

Vamos então conhecer essa teoria extraordinária e refletir sobre como nossa vida é cíclica e sobre como isso reflete na forma como mudamos e nos refazemos sistemicamente.

0 a 7 anos – O ninho. Interação entre o individual (adormecido) e o hereditário

A primeira infância é uma fase de individuação, de construção do nosso corpo, já separado do da nossa mãe, da nossa mente e da nossa personalidade. Nesse ciclo nossos órgãos físicos estão sendo formados para que sejamos indivíduos únicos. O crescimento está ligado à nossa cabeça, ao ponto mais alto, o superior, o pensar.

A separação da mãe é um momento importante para a psique e para o corpo. Outros estudiosos já trataram disso, como Winicot. É uma transmutação importante, em que a consciência da criança se constitui fisicamente e mentalmente tomando conhecimento sobre si mesma. A pedagogia Waldorf, usada nas escolas que tem como filosofia a Antroposofia, entende que na primeira infância a criança tem que perceber os aspectos positivos do mundo, para quererem estar aqui e cultivarem a felicidade em longo prazo.

O primeiro setênio deve oportunizar o movimento livre, a corrida, as brincadeiras, deve permitir que a criança teste e conheça seu corpo, seus limites e suas percepções de mundo. Por isso o espaço físico é muito importante, bem como o espaço do pensar e o do viver espiritual.

7 A 14 ANOS – SENTIDO DE SI, AUTORIDADE DO OUTRO

 

O segundo setênio promove um profundo despertar do sentimento próprio. A energia que emanava do polo superior, da cabeça, se dilui e se encontra no meio do corpo. Os órgãos desse setênio são o coração e os pulmões, esses se desenvolvem promovendo a interiorização e exteriorização da vivência.

É nesse ponto que a autoridade dos pais e professores assume um papel importante, pois eles são mediadores do mundo no qual a criança se insere. Se a autoridade é excessiva, a criança pode ter uma visão pesada e cruel do mundo, se a autoridade e cobrança são muito fluídas e sem ressonância, a criança pode ter uma visão demasiadamente libertária do mundo, não inibindo comportamentos perigosos. O papel do adulto, pais e professores, determinam a imagem de mundo que a criança receberá.

A autoridade é excessiva pode gerar uma maior inspiração do que expiração, desequilibrando o ritmo, e isso pode levar desde a uma timidez no futuro, à introversão, ou quadros somáticos de asma, etc. Quando a autoridade é insuficiente, a expiração maior pode conduzir à extroversão exagerada, que leva a criança a desconhecer seu limite e o do outro, até quadros mais histéricos, de dissolução da identidade.

Nesse ciclo as normas e os hábitos estão sendo absorvidos, o desenvolvimento sadio do ser humano está relacionado à dosagem, o equilíbrio e a harmonia das relações de autoridade, valores, limites e permissões. É o sentir que está sendo afetado, o desenvolvimento das emoções. Do interior para o exterior e vice-versa. As estórias infantis, contos de fadas, todo ato de brincar é extremamente saudável pois a criança cria e molda sua participação no mundo. Isso, para o desenvolvimento humano, é bastante mais saudável que situações em que ela se faz apenas como expectadora, como no caso da televisão, ou de jogos eletrônicos

A arte deve ser estimulada desde o primeiro ciclo, mas nesse momento ela se faz muito mais importante, bem como a religião.  Os mundos artístico e religioso auxiliam no sentido de si e do mundo, fluindo a alma, que busca a beleza e a fé. E, sobretudo, fazendo um contraponto à dura descoberta das diferenças, pois é também nessa fase do conhecimento de si que percebemos como uns e outros são diferenciados na sociedade, como as diferenças sociais, religiosas, raciais ou mesmo geográficas.

 

14 A 21 ANOS – PUBERDADE/ADOLESCÊNCIA – CRISE DE IDENTIDADE

 

O que todo adolescente busca? … liberdade!

Eles não querem os pais, irmãos mais velhos nem professores “pegando no pé”. O que rege esse ciclo é o sentido de liberdade. No sentido corporal, as forças que se acumulavam nos órgãos centrais se espalham e chegam aos membros e no sistema metabólico.

A postura ereta é uma diferenciação dessa fase para as outras. O corpo já está formado, já aconteceram as primeiras trocas com a sociedade, o corpo já não precisa de tanto espaço para se locomover, o espaço agora adquire outro sentido, o da possibilidade de “ser”.  O espaço dessa criança é o mundo, já não pode se resumir a família nem a Escola. Ele precisa se reconhecer e ser reconhecido, aceito, achar a “sua turma” para compor um grupo no qual se identifique.

A liberdade nesse ciclo atua como a vivência do “bom” no primeiro ciclo e do “belo” no segundo ciclo. Ocorre que a liberdade só se dá num ambiente de tensão entre as possibilidades, impossibilidades e desejos. Essa tensão costuma gerar rompimentos, as vezes esses rompimentos são violentos, mas são necessários e próprios desse ciclo.

Essa liberdade também tem um sentido de exposição. Tudo está voltado para o externo, para fora, para o mundo. Há uma dificuldade em ouvir o outro e entender suas posições, tudo deve seguir o seu sentimento de mudança, de julgamento de certo e errado, de bom e ruim. É tanta energia interna para ser extravasada que o sujeito pode perder o controle de si mesmo e precisar de intervenção – salvo se os ciclos anteriores tiverem cumprido bem os seus papéis. As trocas nesse ciclo são importantíssimas. O diálogo, a abertura ao novo, a prática da compreensão, da solidariedade, assim como o seu reconhecimento e o pertencimento.

O binarismo entre o ideal e o real também estão muito presentes. O ideal de mundo, de Homem, de cultura, vindo de uma essência pura e etérea do ser humano entra em choque com o real das ruas, da política, o prazer sexual, as práticas ilícitas, tudo se torna um turbilhão. As representações que forem mais fortes para o sujeito – as de idealizações ou as do real, serão definitivas nos próximos ciclos.

Os questionamentos são fruto desses choques. É o momento de questionar a tudo e a todos. O caminho contrário do “habitual” pode ser exclusivamente para reforçar a tensão. As drogas podem estar nesse contexto. É importante que saibamos que é uma fase extremamente difícil, onde o adolescente precisa negar e se opor, para que, a partir da percepção do que não é, encontrar-se a si mesmo.

Também é o momento do discernimento, das escolhas profissionais, do vestibular, do primeiro emprego, pois a liberdade também só faz sentido quando percebemos a vida econômica. O dinheiro então pode ganhar um sentido de poder que talvez não seja saudável. É a partir desta idade que começamos a ter um pensamento mais autônomo, ainda que, nesta época, acreditemos estar amadurecidos para efetuar julgamentos.

 

21 A 28 ANOS – O “EU” – A INDEPENDÊNCIA E A CRISE DO TALENTO

A partir dos 21 anos nossa individualidade, nosso self, toma uma força considerável na tentativa de estabilização. O “Eu” começa realmente a se mostrar, mesmo ainda estando em formação. No entanto, para que esse “Eu” apareça e se forme, mesmo sendo algo subjetivo e interno, ele depende do mundo exterior, da sociedade.

O fim do crescimento corporal instaura o início de um processo de crescimento mental e espiritual, somos então “cidadãos de dois mundos: o celeste e o terrestre”. Geralmente já não moramos mais com a família e já não estamos mais na escola. É o momento da autoeducação, do emprego, do desenvolvimento dos talentos, etc.

A história das pessoas começa a ser traçadas por elas mesmas, pois há uma tomada de caminho que não depende mais, diretamente, das outras instituições. É uma emancipação em todos os níveis, mas como resultado de toda a experiência nos três primeiros setênios. Surpreendentemente, é também a fase em que mais nos influenciamos pelos outros, pois a sociedade dirá o ritmo da vida de cada um.

Nesse ciclo, os valores, aprendizados, e lições de vida passam a fazer mais sentido.  As energias estão mais pacificadas. Nosso lugar no mundo é o principal objetivo. A colocação profissional assume um papel muito importante. O não atingimento desse objetivo pode gerar muita ansiedade e frustração, especialmente se todos os anos até aqui não foram suficientes para descobrirmos e desenvolvermos os nossos talentos.

 

28 A 35 ANOS – FASE ORGANIZACIONAL E CRISES EXISTENCIAIS

 

Quem nunca ouviu falar na “crise dos 30”? ela não é um mero mito, ela existe e tem explicação. O 5º setênio começa com essas crises na vida, o abalo da nossa identidade, a cobrança do sucesso que talvez ainda não tenha atingido, a certeza de não podermos tudo, de onde vem a frustração e tristeza.

A sensações de angústia e vazio são muito comuns. Em algumas sociedades as pessoas nesse ciclo não encontram um lugar para si e se veem entre a juventude e a velhice ou maturidade. As pessoas passam a não se conhecerem, pois, seus gostos mudam – ou por si mesmos ou pela pressão dos outros. Sentimo-nos impotentes nesta passagem da juventude para a maturidade, de um viver mais impulsivo para um viver mais sério, responsável, voltados para a família e para o trabalho.

Nesse ciclo os sentimentos nos levam também a uma busca espiritual maior, um “caminho da alma”. Estamos suscetíveis ao cosmos, às oscilações e às vezes a harmonia custa a acontecer. Somos cobrados por estrutura, firmeza, estabilidade, uma base, um pilar, que seja material e que também sejam mental e espiritual. A Antroposofia acredita que logo após o 31 ½ ano, que corresponde à metade do 63º. ano de vida, estamos no final das atuações planetárias e zodiacais. Depois dessa idade, ficamos mais livres.

Estamos realmente, nessa fase, em organização. É nesse ciclo que passamos a pesar uma série de coisas, avaliar a trajetória da nossa vida, esse não lugar nos força a perguntar “quem sou eu”. Há uma renovação a partir desse ciclo. Estamos tendo crises, mas é por meio dessas crises que construímos novos pensamentos, novos valores, terminamos relacionamentos e começamos outros, mudamos de emprego, de ideologias, de partidos políticos, enfim… crises, desorganizações e reorganizações.

 

35 A 42 ANOS – CRISE DE AUTENTICIDADE

Esse setênio, embora tenha suas peculiaridades, está ainda ligado ao setênio anterior, ruminando os resultados das crises. Reconhecemos também uma espécie de crise nesse setênio, mas uma crise que busca uma autenticidade, gerada pelas reflexões do ciclo anterior.

Temos, aqui, mais capacidade de julgamento, gozamos de mais maturidade psíquica e emocional. Em geral, já acumulamos alguns bens materiais ou ao menos conseguimos uma renda que seja suficiente para as questões básicas de consumo. O desafio, então, é encontrar valores espirituais e nos reconhecermos como seres únicos. A pergunta é: como é que encontro o caminho para a essência do mundo e para a minha própria essência?

Esse setênio configura a última fase do desenvolvimento da alma propriamente dita, estamos propensos a adentrar mais profundamente no nosso mundo espiritual, na parte mais sensível de nós. Buscamos a essência de tudo, no outro e em nós. Isso passa a acontecer com mais força nesse setênio pois, aqui, já há maturidade e aprendizado suficiente para esse conhecimento.

A carreira, a família (ou não) os desejos, tudo já teve seu tempo. Já alcançamos as conquistas que nos eram urgentes. Há um desaceleramento do ritmo do nosso corpo e da nossa mente, o que é algo importante para alcançarmos frequências mais sutis de pensamento, onde estará nosso corpo suprassensível.

É possível que esse ciclo traga um descontentamento com o novo. Pode ser que o sujeito questione se, chegando aos 40 anos, ainda há algo novo para se fazer. Buscar coisas novas é um exercício importante para esse ciclo. Em contraponto ao novo, há uma aceitação maior do que se é, de como se é, das histórias e experiências de vida.

 

42 A 49 ANOS – ALTRUÍSMO X QUERER MANTER A FASE EXPANSIVA

É um ciclo que tem um “ar” de recomeço, de ressurreição, de alívio, até. A crise dos trinta perde a força e parece não ter tido resultados tão graves como se pensava. É, porém, o momento de buscar, desesperadamente, por algo novo, para que a vida adquira sentido.

As mudanças nesse setênio são urgentes. Mesmo que nem todos estejam preparados para elas. As questões existenciais retornam com uma certa força, mas agora elas mais dinâmicas e menos melancólicas pois o sujeito já se vê capaz de produzir essas mudanças. O lema é “como está, não da pra ficar”.

Essa dinâmica impulsiona a tomada de decisões que, por vezes, ficou anos sendo gestadas dentro de si. Pode ser a separação conjugal, a saída de uma empresa, ter um filho, etc. É uma fase que corresponde, em termos energéticos, à fase que vai dos 14 aos 21 anos. Ficamos saudosistas, queremos ir à Disney e reviver coisas da nossa adolescência. Voltamos a desafiar nosso corpo e fazer esporte. É uma fase solar.

O medo do envelhecimento surge. As questões internas despertadas pelos ciclos anteriores perdem um pouco de espaço para a estética e a necessidade de se fazer coisas que os jovens fazem. As rugas e a menopausa são os espinhos das mulheres nesse setênio.  A sexualidade retoma uma importância crucial. Contudo, a força que se perde com o declínio da sexualidade pode e deve ser empregada em outros nichos.

Esse setênio traz o contraditório: queremos mudanças, estamos em busca do novo, mas o envelhecimento que é uma mudança natural nos assusta, incomoda, gera ansiedade, muda nosso comportamento com relação a nós mesmos e ao mundo. Assim, sucumbimos à força do “sósia”, ou seja, da sombra, daquilo que está diretamente ligado aos aspectos pessoais não resolvidos, não integrados.

Nos enxergamos nas sombras do outro e entramos em confronto. As relações ficam à mercê das emoções distorcidas pelo que não vemos em nós mas vemos nitidamente nas pessoas. No entanto, o que acontece é um espelhamento.

 

49 A 56 ANOS – OUVIR O MUNDO

Podemos reconhecer essa fase como sendo do “pai e da mãe universal”. É a fase de desenvolvimento do espírito. É um setênio tranquilo e positivo. As forças energéticas voltam a estar concentradas na região central do corpo, mas estão voltadas ao sentimento da ética, da moral, do bem-estar, questões universais, humanísticas.

É um momento em que estamos mais conscientes do mundo e de nós mesmos. É um bom momento para reconhecer os méritos da nossa história, aceitando-a sem julgamentos. Esse ciclo desperta em nós o existencialismo para observarmos mais de perto o valor simbólico das coisas. Deixamos o pessoal, particular em busca do universal, do humanístico, do existencial.

Contudo, alguns podem incorrer na falha dos egocentrismos, pois um ciclo depende do seu anterior. Assim, pode haver pessoas nesse setênio completamente voltadas para si, suas necessidades e do seu grupo. O desapego é uma consequência da vida pregressa.

Em termos físicos, esta fase espelha fisiologicamente o setênio 7 a 14 anos, o elemento do ritmo tem de ser priorizado, especialmente na condução de uma rotina. A vida nos ensina nesta época uma nova audição, temos a possibilidade de ouvir a voz do coração para esta renovação ético / moral que agora é propícia.

 

56 A 63 ANOS – (E ADIANTE) ABNEGAÇÃO/SABEDORIA

A Antroposofia acredita que o 56º ano de vida traz uma brusca mudança. Ela está na forma como a pessoas se relaciona consigo e com o mundo. Como os ciclos se correspondem, esse se liga ao primeiro setênio, aquele que vai do nascimento até os sete anos de vida. A audição, a visão, o paladar das pessoas dessa fase se igualam e o mundo fica estranho.

É importante pensar que essa teoria foi pensada em uma época em que a expectativa de vida era muito baixa e as pessoas com 60 anos eram verdadeiros anciãos. Logo é preciso também compreender que os ciclos são metafóricos e não tem uma relação matemática exata.

Contudo, essa fase, por exemplo, evidencia uma volta para dentro de si. O interno passa a fazer muito mais sentido que o externo. É importante internalizar-se, desenvolver os sentidos espirituais. A comunicação com o mundo externo passa a ter ruídos, principalmente pelas mudanças que a sociedade sofreu nesse período inteiro.

A reclusão passa a ser algo natural, boa para a autoreflexão e a busca pela essência. A sabedoria pelo conhecimento acumulado e a intuição que passa a ser mais clara, tornam-se elementos fundamentais dessas pessoas. Elas são o contraponto do sentimento de fracasso e insucesso que, porventura, possa aparecer, vindo dos questionamentos daquilo que se alcançou ou deixou de alcançar.

Certos cuidados se fazem muito importante, como a estimulação da memória, mudanças de hábitos, recursos criativos. Isso porque a aposentadoria pode ser algo limitador, especialmente para aqueles que durante toda a vida atribuíram muita importância ao status profissional e agora temem não ter outra forma de autorrealização.

Atividades muito bem-vindas nesse setênio são as acadêmicas – lecionando ou fazendo novos cursos – escrever textos ou um livro, o laser em grupos de pessoas na mesma fase da vida, viagens e outras formas que relacionem prazer e aprendizado. A aproximação da família ou a construção de novas famílias também ajudam a dar novo sentido à vida.

 

CONCLUINDO

Como você vê, nossa vida é feita de uma forma cíclica. Nossa energia vital circula pelas diversas fases da nossa vida. Nossa mente tem diferentes estágios de aprendizado e nossa espiritualidade pode estar mais ou menos aberta também conforme cada estágio.

Hoje talvez essa divisão seja um pouco diferente e, com certeza, faz sentido pensar em mais um ou dois ciclos de sete anos, visto que estamos vivendo cada dia mais, mas o aprendizado com a Antroposofia e a teoria dos setênios é enorme. Metaforicamente ou não, poucas linhas de pensamento conseguem dar pensar de forma sistêmica como essa. De forma que é impossível pensarmos em algo tão complexo quanto a nossa vida de forma linear e homogênea.

Compreender as fases ou ciclos da vida é importante para aprendermos mais sobre nós mesmos e sobre o outro, adquirindo mais expertise no cuidado com as pessoas, especialmente os coaches, que devem ser peritos no desenvolvimento e aprendizagem humana. Saber sobre cada etapa nos possibilita saber mais sobre as crises e lidar melhor com elas.

Há uma série de arquétipos que podem ser observados nessas diversas fases, mas isso é assunto para um novo artigo. Lembre-se sempre de se lembrar de nunca esquecer que o saber é o nosso bem maior, cada leitura, cada livro, cada conhecimento acumulado é uma forma de sermos melhores e mais capacitados, além de nos conhecermos mais a cada dia.

 

Por: José Roberto Marques é Master Coach Senior & Trainer e Presidente do Instituto Brasileiro de Coaching – IBC.

APRENDENDO COM UM PÉ DE PERA…

Imagem

Um homem tinha quatro filhos.
Ele queria que seus filhos aprendessem a não ter pressa quando fizessem seus julgamentos.
Por isso, convidou cada um deles para fazer uma viagem e observar uma pereira plantada num local distante.
O primeiro filho chegou lá no INVERNO, o segundo na PRIMAVERA, o terceiro no VERÃO e o quarto, o caçula, no OUTONO.
Quando eles retornaram, o pai os reuniu e pediu que contassem o que tinham visto.

O primeiro que chegou lá no INVERNO.

Disse que a árvore era feia e acrescentou: 
“- Além de feia, ela é seca e retorcida!”

O segundo que chegou lá na PRIMAVERA.
Disse que aquilo não era verdade.
Contou que encontrou uma árvore cheia de botões, e carregada de promessas.

O terceiro que chegou no VERÃO.
Disse que ela estava coberta de flores, que tinham um cheiro tão doce e eram tão bonitas, que ele arriscaria dizer que eram a coisa mais graciosa que ele jamais tinha visto.

O último filho que chegou no OUTONO.
Disse que a árvore estava carregada e arqueada cheia de frutas, vida e promessas…

O pai então explicou a seus filhos que todos eles estavam certos, 
porque eles haviam visto apenas uma estação da vida da árvore…
Ele disse que não se pode julgar uma árvore, ou uma pessoa, 
por apenas uma estação. 

A essência do que se é, (como o prazer, a alegria e o amor que vem da vida) só pode ser constatada no final de tudo, exatamente como no momento em que todas as estações do ano se completam!

Se alguém desistir no INVERNO, perderá as promessas da PRIMAVERA, a beleza do VERÃO, a expectativa do OUTONO.

Não permita que a dor de uma estação destrua a alegria de todas as outras.
Não julgue a vida apenas por uma estação difícil.
Persevere através dos caminhos difíceis e melhores tempos certamente virão, de uma hora para a outra!!!

Um dia abençoado para você!

Fonte: Cruz Azul no Brasil – Clínica de recuperação álcool e drogas

 

QUANDO QUALQUER RELAÇÃO É UM CAMINHO PARA O AMOR

Imagem

É raro encontrar alguém que não queira se relacionar bem. Ter uma pessoa ao lado que traga sensação de segurança, apoio, carinho, prazer. Alguém que você admire… e que admire você. E ao mesmo tempo permitindo que o outro seja como ele é, com seus defeitos, dificuldades, esquisitices, assim como você espera ser aceito como é. Mas o que se vê nas relações afetivas é cada vez menos tolerância, e cada vez mais cobrança. Um jogo onde um tenta mudar o outro. Entram elementos de chantagem, manipulação, vitimismo, agressividade…

Um parceiro se sente no direito de querer mudar o outro, porque vê nele coisas que não entende e não aceita. Na fantasia dele, a atitude do outro é “contra ele”! E o outro também quer mudar você. Como é um jogo, às vezes um assume a postura do “coitado” e não abre a boca. Faz tudo o que é falado, tentando agradar. E o outro assume a postura do inquisidor, da pessoa que sabe o que é o correto, e tenta impor sua vontade a ferro e fogo. Essa brincadeira, que pode ser extremamente dolorosa e até violenta, não tem fim. Até que um dos dois, como uma criança emburrada, resolve “pegar a sua bola” e ir embora. Sim! Eu comparo este tipo de situação a uma brincadeira de crianças, porque na raiz do problema, estão emoções infantis mal resolvidas. Eu quero isso! Não, eu quero isso! Você não tem direito! Eu cheguei primeiro! Mas eu mereço! Então, se você fizer isso, eu faço aquilo… E por aí vai…

A única questão é que, quando a relação chegou num nível desses, todos são feridos. Uma “criança emburrada”, na fase adulta, pode fazer coisas extremamente duras, cruéis, violentas. Não há vencedores, e muitas vezes, os filhos da relação “aprendem” que uma relação é uma competição insana entre homem e mulher. Mesmo que não haja brigas aparentes, eles sentem a falta de harmonia do casal. E depois que crescem, repetem a mesma história, pois a mente humana reproduz e atrai os modelos gravados dentro de si. Sendo vítima ou agressor, ou as vezes se revezando nos papéis, o jogo é o mesmo: o jogo da raiva, da mágoa e incompreensão entre o masculino e o feminino.

Uma história de maldades e dor

Talvez você não tenha consciência, mas o seu passado familiar é repleto de maldades e dores que ocorreram nas relações entre homens e mulheres. Traições, agressões, submissões, jogos de sedução, famílias paralelas, filhos abandonados, abortos provocados, noivas e namoradas deixadas para trás, chantagens, golpes do baú, sequestros, casamentos sem amor, mentiras, segredos, agressões sexuais… É lógico que também existiram boas relações e amor…

Mas o que desejo chamar a atenção é que, se na sua vida existe dificuldade de ter uma relação construtiva, livre, harmoniosa, que lhe dê prazer e alegria, é simplesmente porque talvez uma parte de você ainda esteja presa, inconscientemente, a uma programação do passado, que atrai o jogo do sofrimento. Pela constelação familiar sistêmica, descobrimos que esta programação vem de muitas e muitas gerações. É comum uma pessoa olhar para os pais, e ver que eles não tinham uma relação tão ruim. Porém, a questão é que talvez a competição e intolerância na relação estavam embutidas, como um vírus no sistema que não se manifesta totalmente. E aí, na sua vida, este vírus eclode, vem com tudo, trazendo situações problemáticas e difíceis.

A solução? Olhe para si. Perceba quais são os reais sentimentos que você tem em relação ao sexo oposto. Tanto faz se você é homem ou mulher, veja como você vê o “homem dentro de si”. E como você vê “a mulher dentro de si”. Também não importa se você é heterossexual ou homossexual, porque o problema com o masculino e o feminino interno irá se manifestar na sua relação afetiva. O que você espera de um parceiro, de uma parceira? Você confia a ponto de entregar o seu corpo, a sua segurança, o seu espírito àquele ou àquela que você ama? Você está pronto para servir, apoiar e amar incondicionalmente o outro? E como está a sua autoestima? O quanto você está delegando a outra pessoa o dever de fazê-lo feliz, seguro, acariciado… isso porque você não se banca, e se acha infeliz, inseguro e mal amado?

Fato é que as relações afetivas só entram em crises profundas porque não olhamos para nossas emoções dolorosas, que são herdadas da nossa infância, e também dos nossos pais e do nosso sistema familiar, e exatamente por isso – já que emoção é energia pura, atraímos parceiros que irão fazer com que estas emoções venham à tona. Para que? Para serem curadas… Em resumo, um parceiro, qualquer que seja, surge em nossa vida para desenvolvermos a nossa capacidade de cura, compaixão e amor. Em primeiro lugar, por si. E quase ao mesmo tempo, pelo outro.

Relações de prazer e amor incondicional

Tenho visto pessoas realizarem corajosamente este caminho de autoinvestigação. Pessoas que assumem a responsabilidade plena pela própria cura, e portanto, pela própria felicidade. Após passarem por situações repetidas de problemas nas relações, começam a entender, pela dor, que deve ter alguma coisa dentro de si atraindo as más relações. E o mais bonito é ver que, subitamente, estas pessoas aparecem com um rosto brilhando, olhos alegres. “Está amando”, eu penso. E confirmo logo depois, na fala delas.

Porém, é um amor maduro. Imagine você que, ao tomar posse da própria vida, percebe que o medo, a insegurança, a dúvida, o conflito, estavam dentro de si, e aos poucos, vai desativando estes mecanismos que detonam qualquer envolvimento sadio. Imagine você amando e indo além destas emoções. Veja bem: não é uma negação das emoções, mas um “ir além”. Em posse desta maturidade emocional, quando o parceiro apresenta medo, insegurança, vontade de brigar, você sorri… e acolhe. Não vê como pessoal. Porque já criou amizade com suas emoções doloridas. E como uma mãe acolhedora, pode receber em seus braços  o amado, que temporariamente se descontrolou com suas emoções. E lógico, pela lei da atração, o seu parceiro, que sempre está num nível igual ao seu, também estará pronto para amparar você, em outras situações. Não há necessidade de perfeição. De fingimentos. A relação é transparente, honesta e livre. Cada um tem a própria vida. Você se mostra extremamente forte, exatamente porque não recusa a sua fragilidade. Sabe que o ser humano possui altos e baixos, e assim, respeita os altos e baixos do outro. E agradece profundamente os momentos em que pode verdadeiramente apoiar seu amado, e ao mesmo tempo, agradece profundamente ser apoiado quando suas energias estão baixas. Esse é o amor puro, que irá fluir na sua relação afetiva. É um caminho totalmente possível. É um caminho para você despertar para o amor incondicional que existe dentro de si. Esteja consciente: cada relação que você teve e tem, é um passo nesta jornada. Agradeça. Aprenda a lição, e dê mais um passo rumo ao amor. O amor que liberta.

Alex Possato
Constelações Sistêmicas

TRÊS ATITUDES PARA VOCÊ DOMINAR A SUA MENTE

Imagem

Você tem se esforçado para ser positivo e alegre?

Você tem se lembrado de se amar e de cultivar pensamentos bons e positivos?

Se você se esforçar sinceramente, perceberá que se tornará mais fácil.Tudo se torna mais fácil com a prática. Se você persistir em seus esforços para permanecer positivo e alegre, você desenvolverá muito poder e força e, sua recompensa será sua própria felicidade e a paz da mente.

Quando você disciplina sua mente para ver o lado bom nas coisas, para naturalmente ver o melhor nas pessoas e em você mesmo, você sintoniza-se com o poder que governa todo este universo.Você conquista uma mente amável, tranquila, mais silenciosa, com autodomínio e confiança.

Três atitudes importantes para a prática do domínio da mente:

1. Substituir imediatamente pensamentos negativos por pensamentos positivos

É importante a qualidade dos pensamentos mantidos na mente. Experimentaremos condições e experiências correspondentes à nossa atitude mental predominante e aos nossos pensamentos habituais. Um pensamento negativo nos conduzirá a uma experiência desagradável, enquanto que pensamentos positivos nos conduzirão a experiências agradáveis.

Como o pensamento é criativo, o que quer que acreditemos ser verdade na mente será manifestado ou criado. Por essa razão, uma pessoa que habitualmente e persistentemente pensa negativamente, precisa tornar seus pensamentos positivos. Ela precisa pensar no que faz bem e recusar a pensar, sobretudo, o que lhe faz mal.

Se um pensamento negativo surge, precisamos substituí-lo imediatamente por um pensamento positivo ou por um mantra.

Muitas pessoas não têm ideia do que fazer com seus pensamentos negativos, e assim eles permanecem na mente. O segredo é substitui-los.

2. Reduzir os pensamentos

De vez em quando podemos lembrar disso: observar a mente e perceber que o que estamos pensando é totalmente desnecessário. Podemos simplesmente afastar este pensamento desnecessário. Não alimentá-lo e fazer disto um hábito. Ao reduzir os pensamentos vamos aquietando a mente.

Geralmente não observamos a mente para ver o que ela está fazendo, para ver se está se comportando bem ou mal, para ver se está criando alguma coisa ruim e tola. E colhemos o fruto desses pensamentos e depois ficamos a imaginar: “Por que eu mereci isto? Eu não fiz nada para ninguém”. “Estou deprimido. Por que estou assim?” Não compreendemos que tudo surgiu da mente não controlada.

A vigilância melhora a qualidade de nossos pensamentos. A mente não pensa coisas ruins se está sendo observada. Ela se sente embaraçada quando é “pega” pensando alguma coisa estúpida. Assim se você realmente faz um esforço para observar a mente e ver o que ela está fazendo, ela tenderá a se comportar bem. Ela age pior quando sabe que não estamos dando atenção para o que ela está fazendo.

Quando a pessoa, constantemente, observa a mente, ela se torna calma e quieta.

3. Manter a mente equilibrada e estável

Frequentemente, a mente está muito instável. Quase todas as influências externas podem tirar a mente do equilíbrio e nos fazer pensar o que realmente não queremos pensar.

Não podemos estabilizar a mente da noite para o dia porque ela ficou muitos anos fazendo o que bem entende. Mas a mente se torna estável através da prática da hatha yoga, da concentração, da meditação, da prática constante, da vigilância sobre nossos pensamentos.

Devido à mente, muitas pessoas consideram a vida uma luta. Geralmente, não acham que a vida possa ser fácil e feliz. Não importa o que uma pessoa adquiriu ou possui, seus próprios pensamentos podem lhe fazer sentir-se infeliz.

Muitas pessoas pensam: “Se eu pelo menos tivesse aquilo, eu seria feliz…” E então, elas conseguem aquilo, mas nada fica melhor, porque a condição da mente permanece a mesma. A única coisa que pode ser melhorada é a mente.

Depende de nós o que permitimos que a mente pense. É nossa vontade, nosso livre-arbítrio. Se não controlamos a mente, não há nada que possamos controlar.

Todos nós temos procurado muito pela alegria, felicidade e contentamento. Temos tentado muitas coisas. Temos adquirido dinheiro, posses e segurança, participado de muitos eventos sociais, viagens e relacionamentos.

Todavia, a verdadeira alegria vem para uma pessoa quando ela se torna livre da carga de sua própria mente. Esta libertação é uma realização gradual. Ela paulatinamente vai afastando os pensamentos e sentimentos negativos e estabelecerá um ânimo positivo, mais saúde física e emocional. 

Pensamento molda o destino

Compreenda que cada pensamento molda seu destino. Através do controle de seus pensamentos você controla seu destino. Pode mudar sua atitude perante os acontecimentos. Pode mudar os efeitos do seu karma. Pode parar de sofrer e se tornar mais contente.

Não se prenda a fatalismo, dizendo que tudo é karma, que é seu destino, que não adianta se esforçar. Isto é uma incompreensão das leis do pensamento. Você criou seu próprio destino pelos seus pensamentos e pelas suas ações.

Você quer ser mais próspero, saudável, tranquilo e cheio de entusiasmo? Você quer ajudar os outros? Você aspira experimentar a paz do Ser interior?

Então se deseja alguma dessas coisas, você precisa disciplinar sua mente e escolher pensar positivamente. Pensando, desejando e agindo corretamente poderá se tornar mais feliz.

Crie o hábito de ser mais alegre

Descubra a alegria nos momentos simples, como ver o pôr-do-sol; caminhar e sentir a beleza da praia; de um parque; das folhas das árvores e flores. Agradeça o dom da visão e sinta como isto alegra você e lhe conecta com a natureza ao seu redor. Perceba o sentimento de alegria que vem de ter terminado uma tarefa, de encontrar um amigo.

Reconheça alegria em sua vida cotidiana e compartilhe isto com os outros, em seus pensamentos, palavras e ações. Perceba os benefícios para você e para os outros quando você propaga bom humor e alegria ao seu redor.

Entenda que para sentir alegria interior no planeta Terra você precisa se esforçar. Ela não surge por acaso. Ela é fruto do autocontrole, de uma atitude positiva, do sentimento de gratidão, do correto dever, do entusiasmo, de se encantar com as pequenas coisas da vida, de estar presente no momento presente, de desfrutar sua vida.

Lembre-se de cultivar a alegria. Permita-se alegrar sua vida. Fique em paz!

Referências bibliográficas:
Tesouros Interiores- Swami Chidvilasananda- Ed. Siddha Yoga Dham Brasil.
O poder do pensamento pela Ioga – Swami Sivananda- Ed. Pensamento.

Por: Emilce Shrividya Starling – Professora de Hatha Yoga

A ARTE DA TRANSFORMAÇÃO

Imagem

Tu não podes criar o novo vivendo mergulhado no passado. Um recém nascido não pode permanecer ligado à mãe. O cordão umbilical deve ser cortado para que ele se torne um ser autônomo. Passa-se o mesmo com a vida espiritual. Uma vez iniciada a caminhada espiritual e que tenhas decidido viver segundo o modo do espírito, deverás fazer uma ruptura clara com a tua antiga maneira de viver. Tu não podes ter um pé em cada um desses mundos. A decisão pertence-te. Não voltes atrás com a escolha. Avança sem parar. É quando a caminhada se torna dura que tu poderás desejar os ‹bons velhos tempos› e querer voltar atrás.
Não há retorno possível nesta vida. Um bebé não pode voltar para dentro da mãe quando a vida se lhe depara muito penosa. Um pintinho não pode voltar para dentro do ovo, nem uma borboleta para a sua crisálida. A vida não pode andar para trás. Ela deve seguir em frente, sempre em frente.

Por: Eileen Caddy

MÃE – DESNECESSÁRIA

Imagem

A boa mãe é aquela que vai se tornando desnecessária com o passar do tempo. Várias vezes ouvi de um amigo psicanalista essa frase, e ela sempre me soou estranha. 
Até agora. Agora, quando minha filha de quase 18 anos começa a dar vôos-solo.
Chegou a hora de reprimir de vez o impulso natural materno de querer colocar a cria embaixo da asa, protegida de todos os erros, tristezas e perigos. Uma batalha hercúlea, confesso. Quando começo a esmorecer na luta para controlar a super-mãe que todas temos dentro de nós, lembro logo da frase, hoje absolutamente clara.
Se eu fiz o meu trabalho direito, tenho que me tornar desnecessária. 
Antes que alguma mãe apressada me acuse de desamor, explico o que significa isso.
Ser “desnecessária” é não deixar que o amor incondicional de mãe, que sempre existirá, provoque vício e dependência nos filhos, como uma droga, a ponto de eles não conseguirem ser autônomos, confiantes e independentes. Prontos para traçar seu rumo, fazer suas escolhas, superar suas frustrações e cometer os próprios erros também. A cada fase da vida, vamos cortando e refazendo o cordão umbilical. A cada nova fase, uma nova perda é um novo ganho, para os dois lados, mãe e filho. 
Porque o amor é um processo de libertação permanente e esse vínculo não pára de se transformar ao longo da vida. Até o dia em que os filhos se tornam adultos, constituem a própria família e recomeçam o ciclo. O que eles precisam é ter certeza de que estamos lá, firmes, na concordância ou na divergência, no sucesso ou no fracasso, com o peito aberto para o aconchego, o abraço apertado, o conforto nas horas difíceis.
Pai e mãe – solidários – criam filhos para serem livres. Esse é o maior desafio e a principal missão.
Ao aprendermos a ser “desnecessários”, nos transformamos em porto seguro para quando eles decidirem atracar.

Dê a quem você ama: asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar.” (Dalai Lama)

Por: Márcia Neder