COMO UTILIZAR OS INCENSOS E QUAIS OS MAIS INDICADOS PARA DETERMINADOS FINS

incenso

Eles dão boas energias, são purificadores do ambiente e atraem boas vibrações. Aprenda que forma utilizar os incensos e quais os mais indicados para determinados fins.

 

COMO ACENDÊ-LO?

Tal como tudo o que está relacionado com a atração de energias, também os incensos devem ser utilizados de determinadas formas para que o seu poder invada de fato a sua vida.

Um incenso representa o sopro divino e antes de utilizá-lo, devemos mentalizar uma oração especial, direcionada àquilo que desejamos alcançar.

Ele deve ser aceso sempre com a mão esquerda. O ideal é que utilize um fósforo, pois isso significa que respeita o relacionamento com as forças espirituais ou celestiais.

Se deseja limpar um ambiente com o poder da fumaça do incenso, acenda-o como foi referido anteriormente e percorra todas as divisões da casa com ele na mão. Depois faça o percurso exatamente ao contrário. Ou seja, se começar na cozinha, termine o seu caminho de purificação também na cozinha.

Se não puder acender um incenso todos os dias, acenda pelo menos um de três em três dias, pois assim os espíritos inferiores não suportarão ficar num ambiente demasiado perfumado e vão querer afastar-se de locais purificados por incensos.

 

Aromas para todos os fins


Âmbar
– Estimula a intuição a ajuda a escolher os caminhos mais corretos.
Anis estrelado – Para atrair a boa sorte na sua vida.
Arruda – Serve para aumentar a segurança em si mesmo e ajuda a ter proteção espiritual, eliminando todas as energias negativas do ambiente.
Acácia – Ajuda a ter um sono tranquilo, sem inquietações, nem pesadelos.
Absinto – Para além de proteger o amor, ajuda a ter clareza de pensamento.
Alecrim – Afasta pensamentos negativos, e purifica o ambiente de forma a abrir a sua mente.
Alfazema – Para além de transmitir tranquilidade, ajuda a manter o bom humor.
Almíscar – Torna a intuição mais apurada e aumenta a sorte e o sucesso na sua vida.
Angélica – Ajuda a proteger todos os campos da sua vida.
Artemísia – Dá clareza de pensamento.
Benjoim – Em qualquer área em que se move, ajuda-a a ter bastante criatividade.
Camomila – Acalma a impulsividade e ajuda a melhorar a sua vida a nível financeiro.

Canela – Purifica o ambiente e ajuda a resolver questões financeiras.
Cânfora – Elimina todas as energias negativas do ambiente e protege emocional e profissionalmente.
Cedro – Ajuda a aumentar a força física, purifica o ambiente, afasta energias negativas e protege quem tem negócios próprios.
Cipreste – Ajuda a aumentar os níveis de concentração, transmite segurança e equilíbrio e auxilia a fortuna.
Cravo – Harmoniza todo o ambiente, abrindo todos os caminhos da vida; afasta as energias negativas.
Erva-cidreira – Ajuda a encontrar o verdadeiro amor, a felicidade e promove o sucesso.
Erva-doce – Afasta as invejas, traz harmonia e transmite a paz.
Eucalipto – Promove uma verdadeira purificação do ambiente e renova as energias positivas no local.
Hortelã – Ajuda a promover a compreensão, auxilia na tomada de decisões importantes e anula todas as energias negativas.
Jasmim – Purifica o ambiente, aumenta a força física e melhora o sucesso.
Lírio – Aumenta a fertilidade, auxilia na gestação e crescimento.
Manjericão – Aumenta a prosperidade e a proteção na sua vida e atrai a sorte e a felicidade.

Mirra – Aumenta a intuição.
Noz moscada – Atrai o bom humor, o dinheiro e a justiça para a sua vida.
Orquídea – Purifica o ambiente profissional e ajuda a ter clareza de pensamento.
Olíbano – Ajuda a purificar o ambiente.
Patchuli – Atrai a abundância para a sua vida.
Pimenta da Jamaica – Harmoniza o ambiente no lar, atrai sorte e dinheiro.
Pinho – Aumenta a fertilidade e atrai sorte e proteção.
Rosa branca – Purifica o ambiente contra as energias negativas e acalma a impulsividade das pessoas que estão próximas.
Sândalo – Ajuda o seu poder intuitivo.
Sândalo branco – Aumenta a sua capacidade de meditação, sucesso e sorte.
Verbena – Tem o poder de atrair o amor para a sua vida.
Violeta – Afasta todas as energias negativas.
Ylang-Ylang – Potencializa a autoestima.

 

Por: Nina Greguer

O Xale… O Lenço… A conexão com seu Manto Sagrado

xales

Para os povos nativos, simboliza o retorno ao lar, aos braços da mãe Terra, estar protegido e acolhido pelo amor da Grande Mãe. O xale surgiu quando os povos indígenas não conseguiam mais viver no mundo dos brancos e necessitam se conectar com a sabedoria de seus ancestrais. Quando tecemos nosso xale e nos enrolamos nele, nos reconectamos com a força da Mãe Terra e de nossa Ancestralidade Sagrada. Usar o Xale é honrar a necessidade de retornar ao próprio lar, de buscar equilíbrio nos braços da Grande Mãe e dos Ancestrais Sagrados…. É voltar ao encanto e magia da simplicidade de amar e ser amado, simplesmente por ser quem se é.
“Tome seu xale e sinta também a responsabilidade de amar os outros, de amar aqueles que se esqueceram de trilhar o caminho sagrado, e que não encontraram ainda seu caminho de voltar ao lar” – JAMIE SAMS.

Em seus mais diversos formatos, cores e materiais, os xales sempre foram usados pelas mulheres em todos os quadrantes do planeta. Podem entrar e sair de moda, mas sempre retornam para nos aquecer, proteger e também embelezar, porque beleza não é luxo, é necessidade, como diz a poetisa mineira Amélia Prado.
As mulheres Incas usam seus xales presos por um broche (Tupus), um artefato que possibilitou aos arqueólogos identificar estátuas ou múmias como sendo do sexo feminino. Quando membros da raça vermelha dos nativos americanos decidiram retornar aos ensinamentos de seus ancestrais, chamaram este movimento de Tomada do Xale.

A mesma ideia do xale como os braços amorosos da Grande Mãe é expressa entre os celtas na figura de Brigid, como a Senhora do Manto. O Manto da Deusa não apenas cobre e protege todo o território, mas também envolve cada pessoa que recorre a ela por proteção. Os fios de seu manto são os filamentos que conectam todas as coisas em uma grande Teia de Vida. O manto de Brigid fazia parte do equipamento das parteiras celtas, que o colocavam sobre a parturiente para assegurar um bom parto. Também era usado para envolver qualquer parte do corpo que estivesse dolorida ou ferida, porque ajudava na cura.

Universais e acolhedores, os Xales são símbolo de inclusão e amor incondicional, que envolvem, confortam, cobrem, abraçam, protegem e embelezam, escreve Janet Bristow que, junto com Victoria Galo, fez do prazer de tricotar e “crochetar” uma prática de espiritualidade feminina, criando xales portadores de orações e bênçãos, para distribuir entre os necessitados de conforto.

Além disso, à medida que o outono avança e a temperatura declina, nada como um xale acolhedor envolvendo os ombros, para nos proporcionar uma sensação de calor e bem-estar.

Diante de tudo isso, quando pensamos na “Guardiã do Xale”, nossa ideia era de que uma mulher do círculo pudesse ocupar e ancorar esse honroso e importantíssimo lugar: aquela que envolve, conforta, cobre, abraça, protege e embeleza todas as pessoas do círculo com sua acolhedora e amorosa presença. As formas de realizar isso são muitas, e ficam à critério da imagina-ação de cada uma. Mas por certo, esse é um rico aprendizado, que possibilita ancorar no grupo a presença da Mulher Sábia, Portadora do Xale, o que tem reflexos profundos em nossa própria vida…

Sigamos juntas, tecendo os fios desse amoroso e acolhedor Xale de Retorno à nossa própria Casa!

Por: Patricia Feldman

Via: As Faces do Sagrado Feminino – @asfacesdosagradofeminino

A Dor do Fechamento de uma Era

Spiral of documents

Existe uma forte tendência no coletivo em se agarrar ao sofrimento e não existe lugar mais fértil de sofrimento do que olhar para a desgraça alheia. Quem quer sofrer não tem nenhum trabalho, existem mil ” causas” de aparente injustiça para se engajar.
A razão é muito clara!

Saímos de uma Era de água onde a emocionalidade era o tom dominante. Crime, castigo, culpa e pecado eram o mote de todos os que levantam a bandeira de justiceiros.
Isso deu espaço para que políticos e chantagistas levassem grandes vantagens e posassem de salvadores, a verdade é que eles precisam da miséria e do sofrimento alheio, então criam cada vez mais.

A partir de 2012 fecharam-se os portões de Peixes! Entramos em uma era extremamente racional e seca e não tem jeito de voltar para trás. O medo de perder isso instalou-se nas populações.
Nesse período, mentes racionais despontam como grande inspiração, trazendo lucidez. Mas mentes que tem medo do vazio e não recebem energia de luz se alimentam de sofrimento.
Existe muito grito e muito choro e uma tendência voraz em acabar com quem traz a lucidez.
Basta raciocinar um pouco:
1.- Não existem vítimas. Vítima e agressor estão em conluio. O vitimismo foi altamente exaltado na Era de Peixes.
2.- Não existe uma folha que cai sem que o Criador queira. É uma arrogância humana achar que podemos controlar a Vontade Divina.
3.- Cada um passa exatamente o que precisa passar. Reconhecer isso é uma humildade.
4.- Sem auto responsabilidade cada um sempre fica exatamente no lugar onde está.
5.- Em algum nível inconsciente o ajudado jamais vai lhe perdoar, isso já foi dito aqui.

Claro que devemos lutar contra quem nos oprime. Mas evitamos isso e vamos correndo ajudar quem achamos que precisa de ajuda. E ainda por cima, sequer ajudamos, simplesmente gritamos nas mídias coletivas, como se os outros tivessem que escolher nossas causas entre as milhares causas criadas, ou pudesse fazer alguma coisa.
Isso pode ser visto claramente ante a impossibilidade de diálogo racional. O resultado é a briga, separação e conflito.

Posts de indignação e revolta são abundantes e tem o poder de baixar a vibração coletiva, fique atento/a!

Nós mesmos, estamos pagando caro o tópico da corrupção e cada um tem o dever de cuidar de si. Nesse caso a primeira providência é encontrar a corrupção em si mesmo, então lutar contra ela lá fora se está nos vitimizando, já que o lugar da vítima é um lugar nada confortável de se estar, além de ser um lugar de fraqueza.

Se lhe fosse oferecido 50 mil reais mensais para entrar no seleto grupo dos corruptos, quantos de nós negaria?
Olhe com atenção para isso. Você não precisa dar satisfações para ninguém a respeito de suas conclusões não ser para si próprio/a.
Cure isso e estará curando o mundo.

Emocionalidade não tem
nada a ver com amor, pois o amor não é direcionado, por isso cuidado com pseudos amorosidades.
Muitos podem se sentir feridos com essas afirmações, mas não sou eu que estou ferindo, estou apenas traduzindo e clareando através do céu.
È necessário lembrar que somos privilegiados por fazer parte desse elenco nesse momento.
Quem aqui está é porque tem escopo para isso.

As mudanças são grandes e fortes, e quanto mais resistentes mais difícil será a passagem. Parar de se identificar com a dor dos outros dá um grande espaço de calma para lidarmos com as nossas questões sem julgamento.
É importante lembrar também que todo julgamento começa com o auto julgamento, portanto, observe e não se julgue. A Consciência é Luz que queima, assim que observamos de verdade aquele agregado psicológico se dissolve.

Toda a revolução começa no indivíduo.
Observe o Observador.
Ele não sente e não julga, apenas observa!

 

Por: Indumani Deva

https://www.facebook.com/maga.pierri

O Vitimismo e a Evolução Espiritual

vitimismo-600x350

Não se faça de vítima….
“Sou o patinho feio, ninguém cuida de mim”…….

O complexo de vítima – a mania de assumir, na vida, a postura de mártir sofredor – é uma das mais insidiosas e destrutivas patologias psicológicas. Os que caíram nas garras da autopiedade vão por aí, puxando a carroça dos seus sofrimentos quase sempre imaginários – mas não por isso menos reais – e provocando nos outros enfado e repulsa. Isso é muito triste, quando se sabe que tudo o que eles querem é exatamente o contrário: ganhar carinho e atenção.

O vitimismo é um poço de sentimentos negativos. Dele surge a tendência para culpar os outros (o pai, a mãe, os irmãos, a sociedade, a vida, o mundo, os maus fados, o destino) e fazer deles os responsáveis pelas nossas próprias mazelas. Dele surgem as couraças de autodefesa que não nos permitem relaxar e viver de modo saudável nossa relação com os outros e conosco mesmos. Dele vem a impressão sempre absurda e impossível de que não precisamos mudar. Os outros é que estão errados. Ele é a pior das cegueiras, pois destrói na pessoa a autocrítica, o discernimento e a capacidade de avaliação racional das situações.

Demônio de muitas faces, o vitimismo é mestre em matéria de distorção da realidade. Parente próximo da tristeza, quando ele possui uma pessoa coloca diante de seus olhos um filtro cinza e opaco que a impede de apreciar – e se deleitar – com as cores do mundo.

O vitimismo é doença precoce. A análise transacional – uma técnica de psicoterapia – ensina que uma criança, já nos primeiros anos de vida, e a partir do seu contato cotidiano com os adultos, decide qual das seguintes posições existenciais ela assumirá na vida:

Eu não estou ok, os outros estão.

Eu estou ok, os outros não estão.

Não estou ok, os outros também não.

Estou ok, os outros também estão.

Uma vez escolhida a posição, quando a criança cresce, ela será dominante no seu caráter, enquanto as outras, embora podendo coexistir, terão menor peso. Destaca-se que a atitude universal na primeira infância é a da “eu não estou ok, os outros estão”. Assim sendo, a pessoa poderá permanecer fixada nessa posição ou, segundo a educação recebida, passar a uma das outras três. Explicando melhor:

– “Eu não estou ok, os outros estão.” Essa pessoa se sente inferior aos outros e tenderá à depressão. Ela ainda permanece na mesma posição da sua primeira infância.

– “Eu estou ok, os outros não.” É a pessoa que culpa os outros pelas suas misérias. Essa posição costuma ser assumida pelas crianças maltratadas com brutalidade, que concluem: “Quando estou sozinho, estou muito bem. Não preciso de ninguém, deixem-me só.” Esta posição é, em geral, baseada no ódio, mesmo quando ele está bem camuflado. Desse grupo fazem parte, com freqüência, os delinqüentes, os fanáticos e os criminosos.

– “Eu não estou ok, os outros também não.” Essa pessoas não sente nenhum interesse pela vida. É abúlica e depressiva. É uma posição assumida por aqueles que não receberam suficiente calor e atenção nos primeiros anos e escolhe os amigos, o cônjuge, esperando que ele seja propenso a desempenhar o papel complementar.

NÃO SOMOS LIVRES como acreditamos ser. Quando se entende isso, fica evidente que a maior parte dos nossos atos e pensamentos não é tão livre de condicionamentos como gostamos de acreditar. Nossa certeza de sermos livres, de fazermos tudo aquilo que queremos, e quando queremos, é quase sempre uma ilusão. Quase todos, na verdade, carregamos dentro condicionamentos mais ou menos ocultos que, com freqüência, tornam difícil a manifestação de uma honestidade genuína, uma criatividade livre, uma intimidade simples e pura.

Posição existencial é, portanto, um papel que o indivíduo tenderá a representar ao longo da sua vida. É preciso sublinhar o fato de que todas as posições existenciais necessitam de pelo menos duas pessoas, cujos papéis combinem entre si. O algoz, por exemplo, não pode continuar a sê-lo sem ao menos uma vítima. A vítima procurará seu salvador e este último uma vítima para salvar.

O condicionamento para o desempenho de um dos papéis é bastante sorrateiro e trabalha de forma invisível. Esta é uma das causas principais da falência de algumas amizades ou casamentos, quando as pessoas interessadas não se ligaram a partir de uma simpatia genuína, mas sim com o objetivo de encontrar na outra pessoa um sujeito adequado para desempenhar algum papel complementar.

Se pararmos alguns instantes para considerar os casais que conhecemos, não será difícil encontrar entre eles a “menina” que casou com o “pai” (relação vítima-salvador) ou a mulher que se queixa continuamente do marido, mas nem sequer admite a idéia do divórcio (relação vítima- algoz).

Observemos, então, como vivemos e como a nossa presença influencia a vida daqueles que nos cercam. Somos sadios? Serenos? As pessoas ao nosso redor apreciam a nossa presença? Nosso cônjuge nos admira? Ele fala bem de nós? Nossos filhos nos consideram como amigos? Quantos amigos temos? Em quantas portas podemos bater no caso de uma situação grave?

SE NÃO FORMOS serenos e não tivermos amigos, tentemos considerar que, provavelmente, a nossa posição existencial e o papel que desempenhamos não são os melhores possíveis. Com efeito, se o fossem, teríamos serenidade, melhor saúde.

Fonte: Equipe da Revista Planeta.

A Perfeição do Universo e a Lei Cósmica

imagemlili

A perfeição do Universo é a própria Lei Cósmica em manifestação.

E nós muitas vezes, ainda que estejamos no caminho espiritual interpretamos ela de forma equivocada.

Por exemplo, se sempre que mudamos de emprego, ao chegar encontramos bagunça, confusão, brigas, ou qualquer que seja a situação que se repete em nossa caminhada, fiquemos alerta ao recado que o Universo está tentando nos passar…

É importante não cair na ilusão de que somos atraídos para esse “lugar/situação” comum para resolvermos, sermos os paladinos que leva a solução…

Não é sobre o outro, ou sobre o lugar, nunca é, é sempre sobre você…essa entropia que lhe atrai, é porque VOCÊ ainda não aprendeu a lição.

É porque VOCÊ ainda não conseguiu organizar sua vida, sua bagunça interior, ou da sua casa, que aliás fala muito sobre VOCÊ!

 

Por:  Lílian Ponte Silva

A Invasão Silenciosa – Por Emmanuel

12877_560746590612620_189396300_n

Na superfície da Terra, exatamente agora, há guerras e violência e tudo parece negro. Mas, simultaneamente, algo silencioso, calmo e oculto está acontecendo e certas pessoas estão sendo chamadas por uma Luz mais elevada. Uma revolução silenciosa está se instalando de dentro para fora. De baixo para cima. É uma operação global. Uma conspiração espiritual. Há células dessa operação em cada nação do planeta. Vocês não vão nos assistir na TV, nem ouvir nossas palavras nos rádios e nem ler sobre nós nos jornais. Não buscamos a glória. Não usamos uniformes. Nós chegamos em diversas formas e tamanhos diferentes. Temos costumes e cores diferentes. A maioria trabalha anonimamente. Silenciosamente trabalhamos fora de cena, em cada cultura e lugar do mundo. Nas grandes e pequenas cidades, em suas montanhas e vales. Nas fazendas, vilas, tribos e ilhas remotas. Você talvez cruze conosco nas ruas. E nem perceba… Seguimos disfarçados. Ficamos atrás da cena. E não nos importamos com quem ganha os louros do resultado, e sim, que se realize o trabalho. De vez em quando nos encontramos pelas ruas. Trocamos olhares de reconhecimento e seguimos nosso caminho. Durante o dia muitos se disfarçam em seus empregos normais. Mas a noite, por trás de nossas aparências, o verdadeiro trabalho se inicia. Alguns que conhecem o trabalho nos chamam de “O Exército da Consciência”. Lentamente estamos construindo um novo mundo, com o poder de nossos corações e mentes. Seguimos com alegria e paixão. Nossas ordens nos chegam da Inteligência Espiritual e Central. Estamos jogando bombas suaves de amor sem que ninguém note: poemas, abraços, músicas, fotos, filmes, palavras carinhosas, meditações e preces , danças, ativismo social, sites , blogs, atos de bondades. O mundo precisa de amor! Expressamo-nos de uma forma única e pessoal, com nossos talentos e dons. Sendo a mudança que queremos ver no mundo. Essa é a força que move nossos corações. Sabemos que essa é a única forma de conseguir realizar a transformação. Sabemos que no silêncio e humildade teremos o poder de todos os oceanos juntos. Nosso trabalho é lento e meticuloso. Como na formação das montanhas. O amor será a religião do século XXI. Sem pré-requisitos de grau de educação. Sem requisitar um conhecimento excepcional para a sua compreensão. Porque nasce da inteligência do coração, escondida pela eternidade no pulso evolucionário de todo ser humano. Seja a mudança que quer ver acontecer no mundo. Ninguém pode fazer esse trabalho por você. Nós estamos recrutando. Talvez você se junte a nós ou talvez já tenha se unido. Todos são bem-vindos. A porta está aberta!

Emmanuel

Via: @espiritualidadeefisicaquantica