MULHERES QUE CORREM COM OS LOBOS

Imagem

Uma mulher saudável assemelha-se muito a um lobo… robusta, plena, com grande força vital, que dá a vida, que tem consciência do seu território, engenhosa, leal, que gosta de perambular. 

Entretanto, a separação da natureza selvagem faz com que a personalidade da mulher se torne mesquinha, parca, fantasmagórica, espectral. 

Não fomos feitas para ser franzinas, de cabelos frágeis, incapazes de saltar, de perseguir, de parir, de criar uma vida. 

Quando as vidas das mulheres estão em estase, tédio, já está na hora de a mulher selvática aflorar. Chegou a hora de a função criadora da psique fertilizar a aridez.

A Mulher Selvagem carrega consigo os elementos para a cura; traz tudo o que a mulher precisa ser e saber. Ela dispõe do remédio para todos os males. Ela carrega histórias e sonhos, palavras e canções, signos e símbolos. 

Ela é tanto o veículo quanto o destino…

Aproximar-se da natureza instintiva não significa desestruturar-se, mudar tudo da esquerda para a direita, do preto para o branco, passar o oeste para o leste, agir como louca ou descontrolada. Não significa perder as socializações básicas ou tornar-se menos humana. 

Significa exatamente o oposto. A natureza selvagem possui uma vasta integridade…

Ela implica delimitar territórios, encontrar nossa matilha, ocupar nosso corpo com segurança e orgulho independentemente dos dons e das limitações desse corpo, falar e agir em defesa própria, estar consciente, alerta, recorrer aos poderes da intuição e do pressentimento inatos às mulheres, adequar-se aos próprios ciclos, descobrir aquilo a que pertencemos, despertar com dignidade e manter o máximo de consciência possível.

Onde vive a Mulher Selvagem? 

No fundo do poço, nas nascentes, no éter do início dos tempos…

Ela está na lágrima e no oceano. Está no câmbio das árvores, que zune à medida que cresce… 

Ela vem do futuro e do início dos tempos…

Vive no passado e é evocada por nós…

Vive no presente e tem um lugar à nossa mesa, fica atrás de nós numa fila e segue à nossa frente quando dirigimos na estrada. 

Ela vive no futuro e volta no tempo para nos encontrar agora.

Ela vive no verde que surge através da neve… nos caules farfalhantes do milho seco do outono… ali onde os mortos vêm ser beijados e para onde os vivos dirigem suas preces. 

Ela vive no lugar onde é criada a linguagem…

Ela vive da poesia, da percussão e do canto… 

Vive de semínimas e apojaturas, numa cantata, numa sextina e nos blues… 

Ela é o momento imediatamente anterior àquele em que somos tomadas pela inspiração… 

Ela vive num local distante que abre caminho até o nosso mundo.

As pessoas podem pedir evidências, uma comprovação da existência da Mulher Selvagem. 

No fundo, estão pedindo provas da existência da psique… 

Já que somos a psique, somos também a prova. Cada uma e todas nós comprovamos não só a existência da Mulher Selvagem, mas também a sua condição em termos coletivos. Somos a prova do inefável numen feminino…

Por: Clarissa  Pinkola

Saiba mais: https://omundodegaya.wordpress.com/misttico/

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s