22 DE JULHO – DIA DE MARIA MADALENA

Vibrational Art Interactive Tools: Maps Keys Codes Bridges

Dia 22 de julho, é a data em que se celebra o festival de Maria Madalena. Talvez poucos saibam que esse dia é dedicado a ela.

As festividades acontecem na basílica de Maria Madalena, localizada em Vézelay, na França e atrai até hoje muitos peregrinos nessa data.

Lá está uma imagem de Maria Madalena, e em seu rosto corre uma lágrima que, segundo Margaret Satarbird, é um lembrete do seu papel de noiva despojada chorando o seu amado morto.

Segue abaixo informações extraídas do livro “ O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur:

Antiga celebração de Maria Madalena, na França. Nesta data mulheres de todos os lugares peregrinavam a uma gruta e, diante de um altar, pediam à Santa que lhes ajudasse a arrumar namorados ou maridos. Segundos os evangelhos Gnósticos, Maria Madalena era a companheira de Jesus, conhecida como Maria Lúcifer, na acepção correta deste nome (Lúcifer como doador da luz). Após a morte de Jesus, Maria Madalena tornou-se a líder dos Gnósticos, competente e respeitada, até que o Apóstolo Paulo proibiu a participação das mulheres na Igreja para liderar, oficiar ou ensinar, transformando a igreja aberta de Jesus em uma instituição patriarcal e exclusiva. Madalena foi morar na França, perto de Marselha. Lá se estabeleceu em uma gruta, levando uma vida eremita, curando e ajudando pessoas. A gruta onde Maria Madalena morava costumava abrigar antigos rituais de fertilidade dedicados à Deusa.
Na Anatólia, festival dedicado à Arinna, deusa da luz e do dia.

 

Elevemos nossas preces à Rainha!

Om Maria cheia de Graça,
A Senhora é conosco!
Bendita Sois Vós manifestada em cada mulher,
Benditos São e serão sempre
os frutos do nosso ventre sagrado.

Divina Maria, Deusa Mãe,
Rogai por nós, filhas da Deusa
Agora que é a hora
da concepção
da geração
e da manifestação
do amor e da vida na Terra.

Assim É.

 

 

INVOCAÇÃO ANGELICAL

51

Existem diversos métodos e maneiras de se invocar um anjo. Algumas complexas, outras mais simples. Dou preferência a oferecida por Tobias Palmer, que diz em sua obra: “Os anjos entram em nossa vida a convite do espírito”. É bastante singela, mas que combina perfeitamente bem com estes espíritos grandiosos que, pela própria grandeza, evolução e grau de ascensão, são singelos e despojados de complicações, rituais ou aparatos, inerências próprias da natureza humana, não celeste.

Maneiras simples de invocar e ancorar o anjo: chamar três vezes o seu nome (todas as vezes que estamos realizando algo místico, executar, chamar ou repetir três vezes significa fazer alusão a Santíssima Trindade); ascender uma vela no tom do Raio a que pertence a entidade angélica, em um local reservado, limpo e tranquilo, de preferência acompanhada de incenso ( o de rosas é considerado o mais espiritual e místico dos aromas) e preces recolhidas, serenas, seguindo momentos de meditação; podemos, após as preces, voltar ao estado meditativo, esvaziando a mente de todo e qualquer pensamento para criar possibilidade de, no silencio do corpo, da ama e do espírito, poder ouvir a resposta do anjo a nossos pedidos, invocações ou então aconselhamento, pois os anjos falam quando estamos recolhidos no silencio de nosso coração.

Existem outras maneiras, mas são autênticos rituais, complicados, alguns extravagantes que ao invés de nos colocar em sintonia silenciosa com os anjos, nos colocam em tumulto interior pelo número de suas exigências, formulações e detalhes. Não podemos esquecer que as complicações geradoras de confusões, discórdias e dispersão mensal, por exemplo, são muito própria dos seres humanos. No despojamento, na simplicidade, na frugalidade residem grandes e substanciais referencias celestes. Deus, apesar de sua imensa grandiosidade e magnificência, é simples. Nós, os humanos, buscamos a grandiosidade nos tornando complexos, aparatados, o que representa um extraordinário conta senso, pois devemos seguir o exemplo do Pai ou então dos Mestres, que somente nos ensinam a humildade, a fé de um coração sincero e devotado como o caminho da real ascensão.

O melhor e mais eficaz maneira de evocar um anjo é pela oração sincera, pois não há prece que não seja ouvida. As orações não necessitam ser longas, mas quando nos recolhemos em oração por um tempo mais prolongado, aumentamos as chances de ouvir as respostas às nossas invocações; além disso, durante a prece ou quando estamos meditativos e em estado de oração. Os Mestres nos mandam diversos tipos de auxílio como, por exemplo, a limpeza de nossa aura, aconselhamentos, tranquilização, purificação, paz e amor. Quando nos recolhemos no silencio da prece, ascendemos às esferas superiores.

Contribuição Walkyria Garcia
Edição Rudinei DaRosa

Via: https://www.facebook.com/Projeto-Despertar

O CREDO DAS SACERDOTISAS

 

1394028_691982080814265_1397727732_n

Ouça agora a palavra das Sacerdotisas,
os segredos que na noite escondemos,
Quando a obscuridade era caminho e destino,
e que agora à luz nós trazemos.

Conhecendo a essência profunda,
dos mistérios da Água e do Fogo,
E da Terra e do Ar que circunda,
manteve silêncio o nosso povo.

No eterno renascimento da Natureza,
à passagem do Inverno e da Primavera,
Compartilhamos com o Universo da vida,
que num Círculo Mágico se alegra.

Quatro vezes por ano somos vistas,
no retorno dos grandes Sabás,
No antigo Halloween e em Beltane,
ou dançando em Imbolc e Lammas.

Dia e noite em tempo iguais vão estar,
ou o Sol bem mais perto ou longe de nós,
Quando, mais uma vez, Bruxas a festejar,
Ostara, Mabon, Litha ou Yule saudar.

Treze Luas de prata cada ano tem,
e treze são os Covens também,
Treze vezes dançar nos Esbás com alegria,
para saudar a cada precioso ano e dia.

De um século a outro persiste o poder,
Que através das eras tem sido levado,
Transmitido sempre entre homem e mulher,
desde o princípio de todo o passado.

Quando o círculo mágico for desenhado,
do poder conferido a algum instrumento,
Seu compasso será a união entre os mundos,
na Terra das sombras daquele momento.

O mundo comum não deve saber,
e o mundo do além também não dirá,
Que o maior dos Deuses se faz conhecer,
e a grande Magia ali se realizará.

Na Natureza, são dois os poderes,
com formas e forças sagradas,
Nesse templo, são dois os pilares,
que protegem e guardam a entrada.

E fazer o que queres, será o desafio,
como amar a um Amor que a ninguém vá magoar.
Essa única regra seguimos a fio,
para a Magia dos antigos se manifestar.

Oito palavras o credo das Sacerdotisas enseja:
sem prejudicar a ninguém, faça o que você deseja!

 

Doreen Valiente, “Witchcraft For Tomorrow” pp.172-173

Versão Traduzida para o Português

 

20 EXERCÍCIOS PARA A REFORMA DA ALMA

12877_560746590612620_189396300_n

1 – Executar alegremente as próprias obrigações.
2 – Silenciar diante da ofensa.
3 – Esquecer o favor prestado.
4 – Exonerar os amigos de qualquer gentileza para conosco.
5 – Emudecer a nossa agressividade.
6 – Não condenar as opiniões que divergem da nossa
7 – Abolir qualquer pergunta maliciosa ou desnecessária.
8 – Repetir informações e ensinamentos sem qualquer azedume.
9 – Treinar a paciência constante.
10 – Ouvir fraternalmente as mágoas dos companheiros sem biografar nossas dores.
11 – Buscar sem afetação o meio de ser mais útil.
12 – Desculpar sem desculpar-se.
13 – Não dizer mal de ninguém.
14 – Buscar a melhor parte das pessoas que nos comungam a experiência.
15 – Alegrar-se com a alegria dos outros.
16 – Não aborrecer quem trabalha.
17 – Ajudar espontaneamente.
18 – Respeitar o serviço alheio.
19 – Reduzir os problemas particulares.
20 – Servir de boa mente quando a enfermidade nos fira.

O aprendiz da experiência terrena que quiser e puder aplicar-se, pelo menos, a alguns dos vinte exercícios aqui propostos, certamente receberá do Divino Mestre, em plena escola da vida, as mais distintas notas no curso da Caridade.
pelo Espírito Scheilla – Do livro: Ideal Espírita, Médium: Francisco Cândido Xavier – Espíritos Diversos.
*********************************************************
Invigilância alheia pede a nossa vigilância maior.”
(André Luiz, na obra “O Espírito da Verdade”,Espíritos Diversos/Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira)

O que é uma onda? Onda é Energia + Informação

onda

O universo é uma grande onda de energia e informação, então existem infinitas possibilidades disponíveis no Universo, certo?

Meu pensamento é uma onda, visto que meu pensamento contém informação e energia.

Se o Universo é uma grande onda de energia e informação, como faço pra “fisgar”, “pescar”, “adquirir” as melhores energias e informações que estão disponíveis no Universo?

Eu preciso colapsar a onda!

Como eu colapso a onda?

Eu preciso estar numa frequência compatível com a da onda.

Qual a frequência da onda que queremos colapsar?

Uma frequência alta, de amor, de prosperidade, de saúde…

Então, é nisso que tenho que vibrar, no amor principalmente, pois o amor é a frequência mais alta que existe. Colapsando a onda eu crio uma interferência construtiva e então aquela onda de possibilidade se torna uma onda de probabilidade.

O colapso de onda faz com que a energia se torne mais densa, condensada, então eu posso decodificar essa informação diretamente para meu cérebro.

Após esse processo aquela energia sutil e acelerada baixa tanto a frequência que começo a percebe-lá na forma física/matéria. Então porque não colapsamos a onda toda hora e porque não vivemos num mundo maravilhoso?

Porque fomos criados debaixo de um paradigma materialista onde ter é mais do que ser, onde desde criança absorvemos as crenças limitantes de nossos pais, e os nossos pais dos pais deles e assim sucessivamente. Nossos valores são enraizados numa cultura de segregação, ódio, impotência, hipocrisia… Nossa realidade é de frequência baixa (calcula-se uma frequência de 200hz, sendo que a frequência dos seres de luz é de 500hz e de Buda 900hz). Por tudo isso, pela densidade de frequência, pelas crenças limitantes, pelos sentimentos de incapacidade, pela falta de consciência é que não colapsamos e vivemos num mundo de escassez.

Fátima Bloise – julho 2016

Via: Espiritualidade & Física Quântica -https://www.facebook.com/espiritualidadeefisicaquantica/

O SAGRADO FEMININO

5

 

“Sagrado Feminino” significa várias coisas, uma vez que se expressa em várias dimensões da vida:

• Na dimensão espiritual significa incluir e valorizar o feminino como uma dinâmica igualmente fundamental da força criativa da vida e do Divino. O yang não pode existir sem o yin. Significa lembrar a nossa interconexão e unicidade: não estamos separados uns dos outros nem da criação.

• Na dimensão religiosa, significa incluir e honrar o rosto feminino de Deus na expressão religiosa, rituais e cerimônias, com linguagem inclusiva (como Deusa Mãe/ Deus Pai). Significa reconhecer e honrar as divindades femininas e arquétipos da Deusa ao longo de toda a história e culturas.

• Na dimensão planetária significa ver a Mãe Terra como a nossa Mãe, respeitando-a e curando-a.

• Na dimensão cultural significa reconhecer a sacralidade de toda a vida, a nossa rede de interconexão e comunidade; celebrar a grandeza e sabedoria do feminino em todas as culturas, nas artes e na expressão criativa.

• Na dimensão psicológica, significa recuperar as qualidades do Feminino como importantes qualidades interiores de totalidade e equilíbrio dentro de cada indivíduo, do sexo feminino e masculino.

• Na dimensão humana, significa valorizar a mulher como pessoa inteira-corpo, mente e espírito e valorizar as mulheres em igualdade com os homens.

• Na dimensão social, significa resgatar as vozes, visões e sabedoria das mulheres para serem recebidas e integradas ao serviço da cura social e do equilíbrio. Significa valorizar as contribuições das mulheres em casa, como cuidadoras, bem como no local de trabalho e na comunidade.

• Na dimensão política, significa usar a autoridade do poder para servir o bem maior, para proteger e servir a vida e não para dominação, ganância e interesse pessoal. Significa proteger a riqueza comum dos recursos planetários, tais como água, comida, ar, solo, energia.

• Na dimensão histórica, significa reconhecer e ensinar nas escolas as descobertas arqueológicas das culturas da Deusa, no tempo pré-patriarcal, baseadas em valores de parceria e aprender com elas um paradigma de sociedade que usa o poder para servir a vida, e não por ganância. Significa também incluir na história as contribuições das mulheres, bem como a história do Holocausto das Mulheres (600 anos de fogueira).

• Em valores da vida diária que significa boas-vindas, incluindo e ouvindo um ao outro, ao serviço da compreensão. Significa aceitar e respeitar as diferenças. Estar aberta à compaixão. Significa estar aterrado no coração, usando a cabeça a serviço de um bem maior. Significa incluir a intuição na percepção e tomada de decisão. Isso significa estar ligado à bondade, vivacidade, sensualidade e sabedoria de o corpo. Significa usar o poder pessoal para servir e para criar, não para dominar e explorar.

Texto: Vikki Hanchin, LSW

Traduzido e adaptado por SM/IC/A mulher e a SexualidadeSagrada

 

O QUE APRENDI COM OS ORIXÁS

Orixas_2-1024x768

*Exus* me ensinaram que se deseja algo, têm que conquistar !!!

*Pombogiras* me ensinaram que amor verdadeiro é conquistado, não amarrado.

*Caboclos* me ensiaram que a felicidade é uma permissão que temos que nos dar.

*Boiadeiros* me ensinaram que os verdadeiros amigos são os que permanecem do meu lado sempre.

*Erês* me ensinaram que a fé é o único sentimento puro que existe

*OXUM* me ensinou que o amor vale mais que o ouro.

*Omulu* me ensinou que não existe sofrimento que não acabe.

*Ogum* me ensinou que não existe vitória sem luta.

*Oxóssi* me ensinou que só a coragem é o suficiente pra realizar meus sonhos.

*Xango* me ensinou a acreditar na justiça divina, não na minha.

*Oxumare* me ensinou que arrogância não nos leva a bonança.

*Iansã* me ensinou a vencer as tempestades da vida com a cabeça erguida.

*Íyewá* me ensinou que é melhor ferir com verdades do que iludir com mentiras.

*Oba* me ensinou que nem todos são amigos, que a traição vem de onde menos esperamos.

*Iemanja* me ensinou que ser boa não é ser boba ou deixar que nos pisem.

*Nanã* me ensinou a ter paciência e mais certeza em nossos sonhos e objetivos.

*Oxalá* me ensinou que para ser bom não precisa ser santo, mas que eu não passe por cima dos outros pra ter o que quiser.

*Zambi* me ensinou que ele não tira nada de mim, mesmo que seja pra me dar algo melhor.

*Olorum* me ensinou que tudo que eu conquisto é mérito meu, fazer permanecer comigo é meu mérito também e se for possível e eu fizer por merecer ele me dará muito mais coisas sem me tirar o que já tenho…

Boa noite!

 

Por: Philippe Bandeira de Mello – Terapeuta Junguiano e Transpessoal (formado em Psicologia), Supervisor Clínico e Terapeuta de Vidas Passadas